• Ronaldo Gorga

CORONAVÍRUS: O que você precisa saber se estiver grávida



Febre, tosse e falta de ar ou dificuldade de respirar são alguns dos sintomas mais comuns do COVID-19, porém há pessoas que se encontram no grupo de risco e devem ficar mais atentas aos cuidados, pois tem um risco aumentado para ter complicações graves.


Com base nas informações atuais, acredita também que as mulheres grávidas saudáveis tem o mesmo risco que aquelas sem condições médicas subjacentes. Isso é diferente da gripe que é muito mais propensa a infectar e causar sintomas em mulheres grávidas.


Dados mostram que se uma mulher tiver uma infecção grave por COVID-19 durante o 3° trimestre, isso poderá afetar o horário e tipo de parto. O Reino Unido declarou que as mulheres grávidas fazem parte de uma população vulnerável, mas, de acordo com a Harvard Health, a declaração não se baseia em evidências claras de que estão em maior risco.


O principal modo de infecção por COVID-19 é de pessoa para pessoa, através de gotículas respiratórias que são produzidas quando uma pessoa infectada espirra, tosse ou fala. Por esse motivo, os especialistas recomendam que você mantenha uma distância de 1 metro de outras pessoas. Também é possível que as pessoas não apresentem sintomas e ainda transmitam o vírus.


A pandemia pode ter cancelado diversos planos, porém você não pode reagendar o nascimento de um bebê. Se você está grávida é normal que a saúde do seu filho nessa época seja uma prioridade ainda maior.


Ainda há muito o que aprender sobre como o COVID-19 afeta a gravidez, mas sabemos que existe uma preocupação maior para gestações de alto risco, isso inclui mulheres com condições médicas subjacentes, como:


  • Doenças cardíacas;

  • Pressão alta;

  • Diabetes;

  • Problemas nos pulmões.


A gravidez coloca uma demanda mais alta na função pulmonar, portanto, mulheres com uma condição respiratória subjacente podem estar em maior risco de infecção e doença grave. Essas condições podem incluir doenças pulmonares crônicas, asma e doenças cardíacas crônicas. É por isso que o pré-natal é uma parte importante da entrega de um bebê saudável, se você tiver essas condições. Caso contrário, durante a pandemia do COVID-19, os especialistas recomendam se você não estiver em alto risco e, dependendo do trimestre, as visitas de telemedicina podem ser a melhor opção.


No entanto, se forem necessários ultrassom, avaliação da frequência cardíaca, frequência respiratória e pressão arterial, é necessária uma visita ao consultório médico. atendida pelo seu médico se você estiver com 24 semanas de gestação ou mais. Nesse momento, é importante ser avaliado quanto a possíveis problemas.


Tome cuidado para comunicar alterações com seu médico, como sangramento ou diminuição do movimento fetal, ou se você acredita que está tendo sinais de parto prematuro. Atualmente, não há evidências suficientes para determinar se uma mãe pode transmitir o coronavírus para o feto, mas você deve se cuidar mesmo assim. É importante ressaltar que muitas pessoas estão assintomáticas, ou seja, estão infectadas pelo vírus mas não apresentam nenhum sintoma. Portanto é interessante que se você está grávida, pratique as recomendações de higiene, como lavar a mão, usar máscaras, evitar tocar o rosto e desinfetar superfícies que você usa com frequência (interruptores, maçanetas, celulares).


Se você está grávida é muito importante que você cuide da sua saúde para o bebe nascer saudável, com pandemia ou não. Tudo o que você come, seu filho em crescimento também é exposto, então busque obter o máximo de nutrição possível, pois a única defesa real contra o COVID-19 é nosso sistema imunológico forte, então evite alimentos processados, junk foods e foque em alimentos reais como legumes, verduras e gorduras boas.


Suplementar vitaminas também é essencial na gravidez ainda mais na pandemia, manter os níveis saudáveis de vitamina D, pode ser uma das coisa mais importantes que voe pode fazer, pois pode reduzir o risco de pré-eclâmpsia, baixo peso ao nascer e prematuridade. Embora a vitamina D não lute diretamente contra a infecção, é essencial apoiar o sistema imunológico da saúde.


Embora a vitamina D não lute diretamente contra a infecção, é essencial apoiar o sistema imunológico da saúde. Cientistas descobriram que a vitamina D desempenhava um papel funcional na redução do risco de infecções respiratórias superiores, que são a gripe e o COVID-19.


Converse com seu médico sobre a verificação regular dos níveis de vitamina D durante toda a gravidez e durante a lactação, pois a única maneira de saber quanto suplemento você pode precisar sob os cuidados do seu médico é testá-lo.


À medida que você se aproxima do parto, você pode ter algumas perguntas sobre o risco de transmitir o vírus ao seu recém-nascido e como gerenciar a amamentação se estiver infectado. Até o momento, houve apenas relatos de casos e não estudos de mulheres grávidas infectadas com COVID-19. Dois relatos de casos de um total de 47 mulheres com infecção confirmada mostraram que nenhum dos recém-nascidos teve a infecção.


Se você for positivo para o vírus, Harvard Health conclui que não há evidências de que o vírus esteja no leite materno. Portanto, a amamentação não deve expor o bebê. No entanto, como se espalha através das gotículas do trato respiratório, as mães devem lavar bem as mãos antes de pegar seus bebês e usar uma máscara facial para minimizar a exposição do bebê.



Fale com a gente (11) 97658-4670

  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon

Copyright © 2020 Dr. Ronaldo Gorga. Todos os Direitos Reservados