top of page
  • Foto do escritorRonaldo Gorga

Os rótulos de alimentos têm muitos nomes para o açúcar



Caso não haja uma leitura minuciosa dos rótulos dos alimentos, é possível que a ingestão de açúcar ultrapasse a quantidade desejada, mesmo que seja recomendado evitá-lo ao máximo possível.


É importante destacar que a tarefa de ler rótulos não é tão simples quanto parece, visto que existem mais de 56 denominações distintas para o açúcar utilizado pelos produzidos.


Com o objetivo de garantir que sua mensagem seja transmitida de maneira agradável, as fábricas empregam "profissionais especializados" para apoiar suas vendas e resguardar seus interesses.


O organismo humano obtém a quantidade necessária de açúcar a partir de fontes naturais, como frutas e vegetais. A forma como o açúcar é processado no corpo é diferente quando está combinado com fibras, vitaminas e minerais, em comparação com quando se adiciona açúcar refinado ou outros tipos disfarçados com diferentes denominações utilizadas pela indústria alimentícia.


A menos que a sua alimentação seja predominantemente composta por alimentos não processados, abster-se de produtos que misturam açúcar é mais complicado na prática do que na teoria. Como forma de agradar o paladar dos consumidores, diversos alimentos processados ​​são adicionados de adoçantes.


Devido à sua capacidade de criar um ciclo de dependência difícil de ser interrompido, o açúcar é considerado uma das substâncias mais prejudiciais para o organismo humano. Os fabricantes deliberadamente criam produtos que ativam um "ponto de felicidade" específico no cérebro do consumidor, levando-os a desejar cada vez mais. Como resultado, o vício em açúcar é exacerbado tanto em crianças quanto em adultos.


A técnica científica de formulação de ingredientes, criada para estimular o desejo do consumidor pelos produtos, pode ser perigosa para a sua saúde. O açúcar tem um impacto significativo e potencialmente fatal para o organismo humano, mas essa é uma verdade que a indústria de alimentos processados ​​não deseja que você saiba. O grande problema é que, muitas vezes, não se sabe exatamente o que está sendo consumido.


Os rótulos de alimentos podem não listar o açúcar

Em 1812, as pessoas consumiam cerca de 45 gramas de açúcar a cada cinco dias, o que equivale à quantidade presente em uma lata de refrigerante. Já em 2012, a maioria dos habitantes dos Estados Unidos ingeria o equivalente a 17 latas de refrigerante em apenas cinco dias.


Esse é um salto gigantesco! Como ele possui muitos nomes pouco conhecidos, nem todos reconhecem que estão comendo tanto açúcar.


A quantidade de açúcar foi limitada para 10% das suas calorias diárias totais, pelas novas Guias Alimentares para Americanos, emitida pelo Departamento de Agricultura (USDA) e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (DHHS) dos Estados Unidos.


Considerando uma dieta de 2.000 calorias, essa quantidade de açúcar equivale a cerca de 10 a 12 colheres de chá, ou saciar superior à quantidade presente em uma dose única de 350ml de Coca-cola original. No entanto, mesmo essa quantidade pode resultar em problemas de saúde.


Segundo o Instituto Nacional do Câncer, um cidadão norte-americano costuma consumir cerca de 15 colheres de chá de açúcar adicionadas diariamente. Embora a maioria das pessoas perceba que doces e sobremesas contêm açúcar, é fácil ignorar que condimentos, molhos para salada, alimentos enlatados e bebidas além de refrigerantes também podem conter açúcar.


Por exemplo, 2 colheres de sopa de molho barbecue pode ter por volta de 10 gramas (5 colheres de chá) de açúcar.


Você pode não reconhecer todos os nomes que os fabricantes usam para descrever o açúcar nos rótulos, se estiver lendo os rótulos de alimentos para evitar os que contêm açúcar. Açúcar, sacarose e frutose são fáceis de reconhecer. No entanto, você sabia que açúcares como dextrano, etil maltol e rapadura também são açúcares usados para adoçar seus alimentos?


A indústria alimentícia pode dizer que um produto não tem "açúcar refinado", o que significa que o produto não contém açúcar branco, mas não significa que ele não possua açúcar.

Como já estamos consumindo açúcar demais, não existem estudos que sustentem a hipótese do uso de outros tipos dos adoçantes ditos "saudáveis" como açúcares adicionados. Como eles possuem açúcares originados de fontes animais ou vegetais, como mel ou frutas, estes produtos podem ser rotulados como "mais saudáveis". Mas eles aumentam o risco de danos à sua saúde, uma vez que você aumenta a ingestão diária de açúcar.

Os vários nomes do açúcar

Com a crescente atenção da mídia e a demanda dos consumidores, algumas empresas estão tentando fazer mudanças em seus produtos. Por exemplo, a Yoplait continha a quantidade de açúcar em seu iogurte de morango popular de 26 gramas - o que é menos do que o açúcar presente em uma barra de Snickers - para 18 gramas.


Embora os rótulos dos alimentos forneçam uma lista de açúcares, alguns tipos podem passar despercebidos, incluindo xaropes e açúcares secos. A lista a seguir apresenta alguns dos açúcares mais comuns, mas é importante destacar que alguns nomes de açúcares não estão incluídos.


Mantenha em mente que os rótulos de alimentos classificam os ingredientes em ordem decrescente de quantidade no produto. Em outras palavras, os primeiros ingredientes listados são aqueles que estão presentes em maior quantidade, seguidos pelos próximos em ordem de quantidade. Portanto, mesmo que o açúcar esteja na quarta posição na lista de ingredientes, ele pode não ser o quarto ingrediente mais abundante no produto.


Se um tipo diferente de açúcar estiver listado na sexta, oitava e décima posições, essas quantidades podem colocar o açúcar na segunda posição entre as mais abundantes no alimento em questão.


Existem açúcares que não estão incluídos nesta lista, como aqueles que contêm a palavra "açúcar", como açúcar de beterraba ou açúcar de tâmara. Além disso, há açúcares que começam com a palavra "xarope" ou terminam com "ose", como galactose ou frutose, que também são considerados açúcares. É importante lembrar que esses açúcares também podem estar presentes em alimentos processados, mesmo que não estejam listados com esses nomes no rótulo.



Melaço

Xarope amanteigado

Açúcar cristal

Açúcar evaporado

Caramelo

Xarope de alfarroba

Suco de fruta

Mel

Suco de fruta concentrado

Xarope de arroz integral

Xarope de milho desidratado

​Florida crystals

Xarope de açúcar invertido

Xarope de ácer ou bordo (maple syrup)

Melado

Xarope refinado

Xarope de sorgo

Sucanat (contração de "Sucre de Canne Naturel", açúcar de cana natural)

Xarope bruto (do refino de açúcar, melaço)

Açúcar mascavo

Malte de cevada

Xarope de milho

Dextrina

Dextrose

Malte diastático

Etil maltol

Glicose

Glicose em pó

Lactose

Xarope de malte

Maltose

D-ribose

Xarope de arroz

Galactose

Maltodextrina

Açúcar de confeiteiro

Os açúcares líquidos são ainda mais perigosos

Embora o açúcar adicionado possa assumir diferentes formas líquidas ou sólidas, todas elas podem ser prejudiciais à saúde. Mesmo que o tipo de açúcar não possa variar muito, o produto adicionado pode afetar a maneira como seu corpo metaboliza as calorias e como você se sente saciado após consumi-las.


É comum que a pectina ou a fibra naturalmente encontrada nas frutas seja retirada, o que representa uma gestante adicional. A fibra é responsável por equilibrar o açúcar presente no organismo.


De acordo com estudos, os sucos de frutas podem ter efeitos negativos semelhantes aos de outras bebidas com adição de açúcar. Beber calorias pode gerar uma sensação de satisfação maior do que comer alimentos sólidos, ou que pode levar a um maior consumo de calorias para se sentir satisfeito.


Beber uma grande quantidade de açúcar pode levar a um aumento da quantidade de gordura corporal, mesmo que o consumo de calorias esteja controlado.


Pesquisadores fizeram um estudo de 10 semanas com participantes com sobrepeso ou obesidade, que deram a eles 25% de suas calorias na forma de líquidos enquanto controlavam o consumo de calorias levou a uma queda na sensibilidade à insulina e uma diminuição na gordura abdominal.


O tipo também faz a diferença


Durante vários anos, a indústria do milho lançou campanhas publicitárias para persuadir os consumidores de que o consumo do xarope de milho de altos frutose (X MAF) era igual a qualquer outro tipo de açúcar. No entanto, com o aumento da atenção da mídia para as pesquisas, os consumidores percebem que o X MAF não era uma alternativa saudável como os fabricantes anunciaram.


O mesmo vale para a frutose. A frutose é metabolizada apenas pelo fígado, enquanto seu corpo consegue metabolizar e usar a glicose com facilidade. Isso aumenta os riscos de resistência à insulina e dislipidemia (níveis anormais de colesterol e lipídios).


Altos níveis de frutose na dieta estão associados a diversas condições de saúde, como a síndrome metabólica, diabetes tipo 2, gordura no fígado, doenças renais, cardiovasculares e resistência à insulina. Para manter uma boa saúde, é fundamental monitorar a quantidade de frutose consumida, limitando-a a 25 gramas ou menos. É importante ressaltar que a redução do consumo de açúcar também é crucial para a saúde em geral.


Embora o néctar de agave seja comercializado como uma opção mais saudável entre os adolescentes, seus níveis de frutose podem variar entre 70% e 90%. Para alcançar a saúde máxima, é essencial estar bem informado sobre as pesquisas e os efeitos que os frutose podem causar ao corpo. Quando se tem um bom entendimento sobre a alimentação e as mudanças necessárias, as chances de obter melhorias permanentes na saúde são maiores.


O câncer gosta de doces

Para estudar os possíveis benefícios do chocolate para a saúde, a Katz obteve um financiamento de US$ 713.000 da Hershey. Com isso, a imagem da empresa pôde ser melhorada em um cenário em que a mídia está dando mais atenção aos efeitos negativos dos junk food e do açúcar.


Entretanto, um conflito de não foi declarado em uma pesquisa que avaliava os efeitos positivos do consumo de chocolate para a saúde e que foi publicado no banco de dados de ensaios clínicos do National Institutes of Health.


Não é apenas você quem aprecia açúcar. Acontece que o açúcar também pode contribuir para a antecipação das células cancerígenas. Um estudo foi realizado com cerca de 78.000 indivíduos que não apresentavam histórico de câncer ou diabetes.


De acordo com os especialistas, durante um acompanhamento de pouco mais de sete anos, uma quantidade significativa de indivíduos que ingeriram açúcar apresentou um quadro de câncer de pâncreas. Os pesquisadores destacaram que o consumo de açúcar adicionado em bebidas gaseificadas e em sopas de frutas com adição de açúcar, bem como em frutas embebidas em açúcar, foi correlacionado com o aumento do risco de câncer de pâncreas.


Estudos adicionais sobre o funcionamento das mitocôndrias presentes em células cancerígenas apontam que tais células tendem a se desenvolver a partir do consumo de açúcar, ao mesmo tempo que falham em queimar outros tipos de combustíveis. Embora isso possa aumentar o risco de outras formas de câncer, pesquisas destacam que as células cancerígenas dependem do açúcar para manter suas funções celulares.


Vença sua dependência por açúcar

É fato que o vício em açúcar é uma realidade, assim como os prejuízos que ele pode causar no corpo e nas células. Contudo, há algumas táticas que podem ser empregadas para reduzir o consumo de açúcares adicionados, sem abrir a mão do prazer de comer e da sensação de saciedade.



Conhecimento é poder — Quando você sabe o que está por trás delas, fazer mudanças permanentes é mais fácil.

Reduza o consumo de carboidratos — O açúcar é metabolizado como um carboidrato pelo corpo, gerando um pico de glicose e insulina no sangue. O total líquido de carboidratos é calculado pela quantidade de carboidratos em gramas menos o total de fibra em gramas. Se mantiver o total líquido de carboidratos abaixo de 100 gramas por dia (ou 50 gramas por dia para ser ainda mais saudável), você notará uma diminuição da vontade de comer doces.

Alimente-se com comida de verdade — É muito possível que haja açúcares adicionados se sua comida vem em uma caixa, lata ou garrafa. Toda a nutrição de que seu corpo precisa para funcionar, além de açúcares naturais vinculados com fibras que reduzem sua ingestão de carboidratos pode ser obtida com alimentos in natura, orgânicos e sem modificação genética (OGM).

Leia os rótulos — Ao comprar um alimento processado, procure a quantidade e o tipo de açúcar no rótulo. Quanto menos açúcar você comer agora, menos vontade vai sentir depois.

Use adoçantes saudáveis — Você pode se sentir tentado a comer uma opção de sobremesa livre de açúcar, mas você vai estar comendo um substituto para o açúcar, a não ser que ela seja uma fruta. Nem todos os substitutos são criados da mesma forma. Muitos substitutos para o açúcar como o aspartame apresentam riscos para a saúde, eu tenho um adoçante na prateleira da minha cozinha. Eu uso um adoçante líquido nas minhas receitas: a estévia, e ele é seguro e eficaz.


Outra alternativa viável é o Luo Han Guo (também chamado de Luo Han Kuo). A planta é de todo segura em sua forma natural e pode ser usada para adoçar a maioria dos pratos e bebidas. Uma terceira alternativa é usar glicose pura, ou dextrose, como também pode ser chamada.


A dextrose não contém nenhuma frutose, mas tem apenas 70% da doçura da sacarose, então você vai acabar usando um pouco mais do que o normal para adoçar a mesma quantidade, tornando essa opção mais cara do que o açúcar normal - o que ainda vale a pena para sua saúde.


Ao contrário da frutose, a glicose pode ser usada de modo direto por todas as células do corpo e, graças a isso, ela é uma alternativa bem mais segura do que o açúcar. No entanto, ela vai aumentar sua ingestão de carboidratos.


Reduza aos poucos o açúcar que você adiciona — Tente reduzir a quantidade de açúcar que você adiciona nas bebidas de forma gradual, se fazer uma mudança abrupta não funcionou para você no passado. Isso ajuda a se acostumar ao gosto do seu chá favorito ou café sem adição de açúcar, dando tempo às suas papilas gustativas de se adaptarem.

Aumente sua ingestão de gorduras saudáveis nas refeições — A gordura pode reduzir sua vontade de comer algo doce, aumentando a sua satisfação com suas refeições e seus alimentos. Alguns alimentos que aumentam sua ingestão de gordura saudável, dão a sensação de saciedade e reduzem a necessidade de comer doces, são o abacate, o óleo de coco, nozes e sementes.

Inclua alimentos fermentados no seu plano nutricional — Os alimentos fermentados melhoram a microbiota intestinal e a saúde digestiva. O sabor ácido ajuda a reduzir sua vontade de comer doces com naturalidade.

- Recursos e Referências

Comments


bottom of page