top of page
  • Foto do escritorRonaldo Gorga

Beber excessivamente prejudica o fígado e o cérebro


Álcool ; Figado ; Cérebro

  • O álcool é uma das substâncias mais abusadas no mundo; seu consumo excessivo está relacionado a problemas de saúde a longo prazo, principalmente no fígado e no cérebro

  • O acúmulo de gordura no fígado é um dos primeiros sinais de que você está consumindo muito álcool. Além disso, esse problema pode evoluir para hepatite alcoólica e, com o tempo, pode causar cicatrizes no fígado, também conhecidas como cirrose.

  • As pessoas que consomem álcool regularmente, bem como aquelas com problemas de alcoolismo, também têm menos massa cinzenta e menor volume cerebral. Mas isso não é tudo, eles também podem estar em risco aumentado de demência relacionada ao álcool (ARD).

  • A melhor forma de evitar os danos que o álcool causa ao fígado e ao cérebro é abster-se ou pelo menos não consumir em excesso.

O álcool é uma das substâncias mais abusadas no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o abuso de álcool está associado a seis mortes por minuto, o que equivale a um total de cerca de 3 milhões de vidas por ano em todo o mundo. Além disso, os dados mostram que o consumo de álcool aumentou durante os bloqueios, já que as vendas aumentaram 54% nesse período.


É comum ouvir sobre os danos imediatos de consumir muito álcool, incluindo lesões, violência, intoxicação e comportamento sexual de alto risco. Mas, esses são apenas os efeitos de curto prazo, já que consumi-lo regularmente também pode causar problemas de saúde a longo prazo, especialmente no fígado e no cérebro.


O consumo excessivo de álcool causa doenças hepáticas.


Quase todo o álcool é metabolizado no fígado, pois este órgão processa até 90% do álcool que você consome, enquanto os outros 10% são eliminados pela respiração, suor e urina. Para quebrar e eliminar as moléculas de álcool, as células do fígado produzem duas enzimas principais: álcool desidrogenase (ADH) e aldeído desidrogenase (ALDH).


A enzima ADH metaboliza o álcool em acetaldeído, uma substância altamente tóxica e também cancerígena, enquanto a enzima ALDH converte o acetaldeído em acetato, que é menos reativo, mas ainda considerado tóxico. Esses dois subprodutos tóxicos estão ligados a danos celulares e teciduais causados ​​pela doença hepática alcoólica, um problema de saúde que afeta até 35% das pessoas que bebem álcool regularmente.


O acúmulo de muita gordura no fígado, também conhecido como esteatose, é um dos primeiros sinais de que você está consumindo muito álcool. Esse problema de saúde é diagnosticado quando pelo menos 5% do peso do fígado é gordura, podendo evoluir para hepatite alcoólica, caracterizada por inflamação. Com o tempo, esse tipo de dano pode causar cicatrizes no fígado, também conhecidas como cirrose. Quando a cicatrização é grave, o tecido cicatricial começa a substituir as células do fígado, prejudicando a função hepática e pode levar à insuficiência hepática. Alguns dos sintomas mais comuns de doença hepática relacionada ao álcool incluem:


Amarelecimento da pele e dos olhos (icterícia)

Dor abdominal e inflamação

urina escura

Náusea ou vômito

Cor anormal das fezes

Contusões

Fadiga e desorientação

Febre

Fraqueza

Inchaço nas pernas e tornozelos

Perda de apetite


O álcool também reduz o volume cerebral e causa declínio cognitivo


Após o consumo, o álcool pode chegar ao cérebro em questão de cinco minutos, onde causa danos das mais diversas formas. De acordo com um estudo publicado na revista Alcohol Research and Health, o acetaldeído interage com a dopamina no cérebro para criar salsolinol, que é um composto neuroativo que tem sido associado a doenças neurodegenerativas como o Parkinson. Há também a hipótese de que o abuso crônico de álcool faz com que o cérebro use o acetato como sua principal fonte de energia.


Além disso, uma revisão publicada na Frontiers in Neuroscience menciona que o abuso crônico de álcool também está relacionado ao declínio cognitivo e a mudanças na estrutura neural. Segundo os pesquisadores:


“Em geral, o abuso do álcool degenera a medula espinhal, altera o sistema nervoso periférico e deixa as células cerebrais sem a nutrição necessária devido à falta de folato e tiamina, bem como às alterações que produz no metabolismo.

Além disso, a tolerância a substâncias e o aumento da dose podem causar neuroinflamação e morte neural.


As pessoas que consomem álcool regularmente, bem como aquelas com problemas de alcoolismo, também têm menos massa cinzenta e menor volume cerebral. Mas isso não é tudo, eles também podem estar em risco aumentado de demência relacionada ao álcool (ARD), que é "mais grave do que o declínio cognitivo relacionado à idade".


Outro estudo publicado no Journal of Neuroinflammation revelou que o consumo excessivo de álcool pode fazer com que o cérebro acumule proteínas beta-amilóides, que, além de prejudiciais, promovem o desenvolvimento do mal de Alzheimer. Existe também uma relação complexa entre o consumo de álcool e a saúde do coração e do cérebro.


Consumir muito álcool prejudica a saúde do coração, o que, por sua vez, afeta o desempenho cognitivo.


5 nutrientes que auxiliam na saúde do fígado e do cérebro


A melhor maneira de evitar os danos que o álcool causa ao fígado e ao cérebro é se abster, ou pelo menos não consumir em excesso. Se você decidir tomar uma bebida, coma também alguns alimentos ricos nesses nutrientes para reduzir um pouco os efeitos negativos do álcool no cérebro e no fígado:

  • Colina. Este nutriente suporta a saúde do fígado, ajudando a controlar o metabolismo do colesterol e proteger a membrana. Algumas boas fontes de colina incluem rúcula, gema de ovo orgânica, fígado bovino alimentado com capim, salmão selvagem do Alasca e óleo de krill.

  • Magnésio. Muitas pessoas têm deficiência de magnésio e o álcool pode piorar esse problema. De acordo com um artigo publicado no Annals of Translational Medicine , o magnésio “não apenas ajuda a manter uma boa função hepática, mas também pode retardar a progressão da doença hepática e reduzir o risco de mortalidade por esse problema de saúde”.

O magnésio também é um nutriente importante para o bom funcionamento do cérebro, influenciando processos como a transmissão nervosa e a condução neuromuscular. Algumas boas fontes de magnésio incluem espinafre, acelga, salmão selvagem do Alasca, carne alimentada com capim, bem como nozes e sementes, como amêndoas e sementes de abóbora.

  • Vitamina C. O consumo de álcool também reduz os níveis dessa vitamina. Manter níveis ótimos desse poderoso antioxidante é importante para proteger o fígado e o cérebro dos danos oxidativos causados ​​por essa substância tóxica. Existem muitas frutas e vegetais ricos em vitamina C, incluindo frutas cítricas, pimentões e vegetais crucíferos.

  • Cardo de leite. Contém os antioxidantes silimarina e silibina, que podem ajudar a proteger o fígado de toxinas, como o álcool. Além disso, sabe-se que também ajudam a regenerar as células do fígado. Antes de consumir álcool, tome um suplemento de cardo de leite.

  • Vitaminas B. O abuso crônico de álcool causa deficiência de folato, niacina, vitamina B6 e tiamina, o que pode promover o desenvolvimento de síndromes neuropsiquiátricas. Para manter os níveis ideais, adicione fontes de vitaminas do complexo B à sua dieta, que incluem carne de animais alimentados com capim e órgãos, aves caipiras, ovos e leite, iogurte natural, cogumelos e abacate.

É importante observar que esses nutrientes apenas ajudam a manter a saúde do cérebro e do fígado, e não reduzem o risco de efeitos adversos do álcool. Portanto, use o bom senso e se decidir beber, faça-o com moderação.


Estratégias para parar de beber álcool


A melhor coisa que você pode fazer pela sua saúde é eliminar o álcool de sua vida, embora isso exija tempo e esforço. Aqui estão algumas estratégias que você pode implementar para reduzir a ingestão de álcool e parar de beber compulsivamente:


1. Defina uma meta. Se você não conseguir parar completamente, comece estabelecendo a quantidade de álcool que planeja consumir. Anote e coloque em um local visível, como o celular ou a geladeira. Escolha um ou dois dias sem álcool por semana, até chegar a uma semana sem beber. Você também deve contar à sua família, amigos e colegas de trabalho sobre sua meta de parar de beber.


2. Acompanhe o que você bebe. Por três a quatro semanas, mantenha um registro de cada vez que você bebeu. Inclua informações adicionais, como quanto você bebeu e onde. Isso o ajudará a determinar o quão bem você está cumprindo seu objetivo e se precisa procurar ajuda de seu médico ou de outros profissionais de saúde.


3. Elimine as tentações. Tire todo o álcool de sua casa e aprenda a dizer não às pessoas que lhe oferecem uma bebida.


4. Beba mais devagar. Se você vai beber álcool, beba devagar e faça intervalos de 30 minutos a 1 hora entre cada bebida.


5. Exercite-se regularmente. O exercício ajuda a afastar sua mente do desejo por álcool. De fato, um estudo mostrou que o exercício regular pode ajudar a reduzir alguns dos efeitos nocivos do uso de álcool, como declínio cognitivo e alterações neurais.


Outro estudo publicado em Alcoholism: Clinical & Experimental Research descobriu que pessoas que bebem álcool há muito tempo e se exercitam regularmente têm menos danos à substância branca em seus cérebros do que pessoas que quase não se exercitam. A matéria branca é considerada a "fiação" do sistema de comunicação do cérebro.


6. Priorize seu bem-estar. Para otimizar sua saúde física e mental, mantenha-se bem hidratado, coma uma dieta balanceada de alimentos frescos e integrais e certifique-se de ter uma boa noite de sono.


Além das estratégias mencionadas, também recomendo incorporar os seguintes remédios em seu plano de recuperação para ajudá-lo a controlar seus desejos de álcool:

  • Nicotinamida adenina dinucleotídeo (NAD). A niacina (vitamina B3) é o precursor da coenzima NAD. Mas, como as pessoas que consomem álcool regularmente geralmente apresentam deficiência de niacina, tomar pequenas doses de NAD é muito útil para pessoas que decidem parar de beber, pois pode ajudar a reduzir os desejos de álcool, desintoxicar o corpo, remover o álcool (ou outras substâncias) do corpo. sistema e aliviar os sintomas de abstinência.

  • N-acetilcisteína (NAC). Esta é uma forma do aminoácido cisteína que ajuda a reduzir o consumo de álcool e os sintomas de abstinência. Um estudo envolvendo pessoas que consumiam uma bebida alcoólica por semana também mostrou que o NAC aumentava a probabilidade de abstinência.

Por fim, lembre-se de que eliminar o álcool da sua vida é um processo que exige tempo e esforço. Não desista, mesmo que tenha uma recaída em algum momento, não deixe de admiti-lo. Lembre-se, a chave para alcançar a sobriedade é ser consistente.



Fontes e Referências

Comentários


bottom of page