O iodo é uma forte arma contra as infecções virais


O iodo é um eficaz antiviral e anti-séptico

Já se sabe há algum tempo que o iodo pode matar vírus. A mais recente pandemia grave de gripe foi causada pelo vírus H1N1 em 1918. O CDC estima que 500 milhões de pessoas, ou um terço da população mundial na época, foram infectadas. Globalmente, houve 50 milhões de mortes que os médicos atribuíram à infecção.

Nos anos seguintes ao surto, os cientistas buscaram mais informações sobre os vírus e os agentes que podem ser usados para matá-los. Foi quando o iodo foi descoberto como um método eficaz para o controle de infecções. Em sua revisão da história do iodo, o Dr. David Derry escreve:

"Em 1945, Burnet e Stone descobriram que colocar iodo no focinho de ratos impedia que eles fossem infectados com o vírus vivo da gripe no ar. Eles sugeriram que a impregnação de máscaras com iodo ajudaria a impedir a disseminação viral. Eles também recomendaram que os profissionais da saúde tivesse salas tratadas com iodo em aerossol para exame e tratamento de pacientes altamente infectados."

O estudo que ele cita foi publicado no Australian Journal of Experimental Biology and Medical Science em setembro de 1945. Pouco tempo depois, na década de 1950, o iodopovidona fez sua estréia como um "antisséptico e desinfetante eficaz de amplo espectro".

Por mais de 50 anos, o iodopovidona tem sido usado em hospitais sob o nome comercial de Betadine. Também é vendido para uso doméstico. Derry escreve que os meios atuais de se lidar com um vírus podem ser aprimorados com o uso de iodo. Com base em pesquisas anteriores de Burnet e Stone, ele sugere:

"As técnicas de isolamento juntamente com o iodo em aerossol aumentaria a segurança para pacientes, profissionais da saúde e todas as pessoas que trabalham com o público. As autoridades de saúde pública poderiam organizar a distribuição de iodo e, ao mesmo tempo, instruir o público quanto ao uso eficaz do iodo. O iodo oral também pode aumentar os mecanismos de defesa do corpo no muco oral e do trato respiratório superior."

O mecanismo de ação pode ajudar a explicar como o iodo é tão eficaz para matar bactérias. O palestrante de saúde e medicina e doutor em medicina oriental e pastoral, Mark Sircus, escreve que o iodo pode matar até 90% das bactérias da pele em 90 segundos. Ele explica o que mais o iodo faz:

"O iodo mostra atividade contra bactérias, fungos, leveduras, protozoários e muitos vírus. De fato, de todas as preparações anti-sépticas adequadas para uso direto em humanos, animais e tecidos, apenas o iodo é capaz de matar todas as classes de patógenos: bactérias gram-positivas e gram-negativas, micobactérias, fungos, leveduras, vírus e protozoários. A maioria das bactérias é morta dentro de 15 a 30 segundos após o contato."

O iodo é útil na redução de infecções pós-cirúrgicas

Ao longo dos anos, os médicos descobriram que o uso de um antiséptico tópico poderia limitar a necessidade de antibióticos e, portanto, reduzir o potencial de desenvolver resistência a antibióticos. Os pesquisadores descobriram que o iodopovidona pode realizar essa tarefa com eficácia, sem retardar a cicatrização de feridas.

Quando aplicado a uma ferida, mata os organismos gram-negativos e positivos com eficácia. Alguns também descobriram que acelera a cicatrização de feridas agudas e crônicas. O iodo possui características específicas que o tornam eficaz na cicatrização de feridas, incluindo a falta de resistência bacteriana e a eficácia contra os biofilmes.

Mas os possíveis usos do iodo não param por aí. Oftalmologistas o vêm aplicando em preparação para cirurgia ocular. As pesquisas para expansão de seu uso começaram no início dos anos 2000, após a publicação de um relato anedótico, que relacionava uma breve lavagem dos olhos com iodo à rápida cura de uma conjuntivite viral.

Pesquisadores começaram a testar a aplicação tópica de uma combinação de esteróide e iodo no tratamento da ceratoconjuntivite adenoviral, um tipo de conjuntivite viral. Após sete dias de estudo, os animais tratados com a combinação iodo e esteróide apresentaram um número menor de sintomas de toxicidade e liberaram menos vírus, o que reduz a chance de transmissão.

Você deve conhecer a condição apenas como conjuntivite. Os vírus são a principal causa de 80% dos casos de conjuntivite, e o adenovírus causa 65% a 90% dessas infecções. Uma complicação da conjuntivite é a introdução de infiltrados sub epiteliais da córnea que podem causar dor e sensibilidade à luz.

Os líderes de outro estudo de laboratório usaram bactérias cultivadas a partir de úlceras da córnea. No laboratório, eles descobriram que a exposição a concentrações mais baixas de iodopovidona (0,25%) poderia matar bactérias em 30 segundos. No entanto, a exposição do Micrococcus luteus e Staphylococcus aureus a concentrações de 5% e 10% foi menos eficaz, levando mais tempo para matar as bactérias.

Um desequilíbrio pode aumentar o risco de doença crônica

Você também precisa do iodo internamente. Globalmente, os distúrbios de deficiência de iodo (DDI) afetam 2 bilhões de pessoas, mas apenas 50 milhões podem apresentar sintomas clínicos. As crianças estão entre os mais vulneráveis, assim como as grávidas e lactantes.

O National Institutes of Health explica que a deficiência de iodo afeta a produção do hormônio da tireoide. Sem iodo suficiente, as crianças podem apresentar um desenvolvimento ruim do cérebro e do sistema nervoso. Mesmo uma deficiência leve pode causar ligeiros desafios ao desenvolvimento neurológico.

Ao mesmo tempo, seu excesso pode levar ao aumento da glândula tireóide, sua inflamação e até câncer, juntamente com alguns dos mesmos sintomas de uma deficiência. Nas regiões do mundo onde as pessoas ingerem uma quantidade maior de iodo em seus alimentos, como no Japão e no leste da China, tem crescido a prevalência no aumento da tireoide. O excesso de iodo também pode levar ao hipertireoidismo, enquanto sua falta pode causar hipotireoidismo.

A Organização Mundial de Saúde considera que "a deficiência de iodo é a principal causa de dano cerebral em crianças". No entanto, a deficiência também pode afetar o sistema neurológico dos adultos. Pessoas com deficiência de iodo podem sofrer uma redução de 15 pontos no QI, o que pode afetar sua produtividade e capacidade de manter um emprego.

Os problemas de tireoide são uma questão séria de saúde pública

Um desequilíbrio de iodo afeta a função da tireoide, o que, por sua vez, afeta muitos outros sistemas no corpo. Por exemplo, quando a tireoide não está totalmente funcional, isso pode levar a doenças cardíacas.

Se você sofre de hipotireoidismo, isso pode diminuir sua frequência cardíaca, tornar suas artérias menos elásticas e aumentar sua pressão arterial. O hipertireoidismo é menos comum e pode fazer com que seu coração bata mais rápido e apresenta um ritmo cardíaco anormal. O mais comum é a fibrilação atrial, durante a qual as câmaras superiores do coração se movem de maneira desorganizada.

A limpeza com iodo pode impedir a propagação de vírus

Existem várias maneiras de usar iodo em casa para retardar ou impedir a propagação de vírus. Procurar usar produtos naturais para limpar e esterilizar maçanetas, telefones e suas mãos. Estes podem ser especialmente úteis durante a temporada de gripes e resfriados.

Use uma solução de iodopovidona para ajudar a retardar a propagação de vírus e bactérias. Ao reduzir a carga viral do trato respiratório superior, você pode reduzir a extensão do resfriado e da tosse.

Quando estiver acampando, os comprimidos de iodo são uma das maneiras mais seguras de esterilizar a água. Mas essa solução é melhor apenas em caráter temporário a de curto prazo, uma vez que o iodo extra pode afetar a função da tireoide.


Posts Em Destaque