INSÔNIA AFETA A SAÚDE DO CORAÇÃO?



A privação do sono é um fator muito importante que afeta nossa saúde, ele tem o mesmo efeito no sistema imunológico que o estresse físico ou alguma doença, de fato isso ajuda explicar por que a falta de sono está associado a um risco aumentado de inúmeras doenças crônicas, incluindo doenças cardíacas.


Pesquisas mostraram que insônia frequente ou crônica está ligado com risco maior de pressão alta, que como sabemos é um precursor e fator de risco para doenças cardíacas que devemos ficar atentos. Para ser mais especifico, pessoas que dormem 5 horas ou menos por noite estão em um grupo de maior risco de desenvolver pressão alta ou agravar este quadro.


Outro ponto importante que foi descoberto que essas pessoas em comparação as que dormem 7 a 8 horas regularmente, tem 27% mais chances de ter aterosclerose subclínica (estágios iniciais do endurecimento e estreitamento das artérias) de acordo com estudo publicado no Jounal of the American College of Cardiology.


E não é só a quantidade de horas dormidas que devemos nos atentar, mas também com a qualidade do sono. Como assim? Ter uma noite de sono onde você consegue descansar, sem ficar acordando muitas vezes, sem ficar muito tempo na cama até adormecer, são pontos que indicam um sono de qualidade. Pessoas que tem o sono mais fragmentado tem 34% mais chances de apresentar aterosclerose.


No nível subclínico, a aterosclerose nos estágios iniciais pode não causar nenhum sintoma e pode ser revertida, para que as doenças cardíacas sejam evitadas. Para esse fim o sono adequado pode ser crucial.


Para comprovar esta hipótese que a insônia é um fator causador de doenças cardíacas e não uma mera correlação, analisaram predisposições genéticas para insônia, doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca, fibrilação atrial e derrame.


No final concluíram que a predisposição genética para insônia estava associada a um risco significativamente de doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca e derrame isquêmico. Já para o AVC a predisposição genética à insônia foi associada a um risco 13% maior de derrame arterial, 8% de derrame de vasos pequenos.


Este estudo não permite concluir que a insônia causa doenças cardiovasculares, mas sim que pessoas com insônia tem maior risco delas, portanto é importante identificar o motivo subjacente da insônia para conseguir tratá-la.