top of page
  • Foto do escritorRonaldo Gorga

Vitamina K2 o nutriente que falta para os ossos e coração




O básico sobre a Vitamina K

As vitaminas K1 e K2 pertencem a uma mesma família, mas apresentam diferenças em relação às suas atividades e funções. A vitamina K1, presente em vegetais de folhas verdes, é uma vitamina solúvel em gordura que atua na produção de fatores de coagulação essenciais para o controle de sangramentos.


Por isso, é importante ter cautela ao consumir vitamina K1 em excesso, especialmente para aqueles que fazem uso de anticoagulantes, como a varfarina, pois ela pode neutralizar os efeitos do medicamento. Já a vitamina K2 apresenta uma bioquímica complexa, envolvendo duas enzimas:

  • Proteína Matrix Gla (MGP)

  • Osteocalcina

Nos Estados Unidos, o ácido glutâmico é referido como "Gla". Esse ácido é transportado para as células da parede arterial, onde se liga ao cálcio e o elimina do revestimento dos vasos sanguíneos.


Com a ajuda da vitamina K2, o cálcio removido do revestimento dos vasos sanguíneos é direcionado para a matriz óssea, onde é integrado na osteocalcina. Essa proteína ajuda a manter o cálcio em seu devido lugar.


A presença da vitamina K2 é crucial para ativar tanto a MPG quanto a osteocalcina. Sem ela, o processo de transferência do cálcio das artérias para os ossos é impedido, o que aumenta o risco de calcificação arterial.


Podemos pensar na vitamina K2 como um interruptor que aciona tanto a MPG quanto a osteocalcina, possibilitando que o cálcio seja transportado das artérias para os ossos.


Estatinas podem aumentar a calcificação arterial esgotando as reservas de vitamina K2

Além de uma alimentação pobre em nutrientes, alguns remédios podem reduzir os níveis de vitamina K2 no organismo. De acordo com um recente artigo publicado no Journal of the American College of Cardiology, as estatinas podem aumentar a calcificação arterial.


É interessante que outro estudo recente, publicado na Expert Review of Clinical Pharmacology, tenha chegado à mesma conclusão.


"Para mim, isso é muito importante. Se for verdade, sempre que tomar estatinas, uma pessoa também deve tomar vitamina K2", diz Goodman.


Essa observação é importante, visto que um a cada quatro americanos acima de 40 anos toma estatinas. Não apenas essas pessoas precisam tomar ubiquinol ou coenzima Q10, que também são esgotadas pelo medicamento, mas é muito provável que também precisem de vitamina K2 para evitar danos cardiovasculares.


Fontes de vitamina K2

A principal fonte de vitamina K2 é proveniente de alimentos fermentados, como o natto, uma soja fermentada encontrada em mercados orientais. Isso ocorre porque essa vitamina é produzida por certas bactérias presentes nesses alimentos.


Outra opção para obter vitamina K2 é fermentar seus próprios vegetais utilizando uma cultura específica para esse propósito. A minha cultura cinética é rica em cepas que produzem essa vitamina.


É importante destacar que nem todas as cepas de bactérias são capazes de produzir vitamina K2, o que significa que nem todos os alimentos fermentados contêm essa vitamina. Por exemplo, a maioria dos iogurtes industrializados não possuem vitamina K2, e embora alguns tipos de queijo, como gouda, brie e edam, sejam ricos em vitamina K2, a maioria não possui essa vitamina em quantidades significativas, já que tudo depende do tipo específico de bactéria presente no processo de fermentação.


Sendo assim, é bastante difícil obter uma quantidade suficiente de vitamina K2 apenas através da dieta, principalmente se não se consome alimentos fermentados ricos em K2. Dessa forma, a suplementação pode ser a melhor opção para muitas pessoas.


Como descobrir se você tem deficiência de vitamina K2?

O principal desafio que enfrentamos ao tentar melhorar os níveis de vitamina K2 é a falta de uma maneira fácil de medi-los. Atualmente, não há uma forma direta de avaliar a quantidade de vitamina K2 presente, então usamos uma avaliação indireta baseada nos níveis de osteocalcina subcarboxilada.


Infelizmente, essa análise ainda não está amplamente disponível comercialmente. "Esse é o nosso dilema. Se pudéssemos obter esse exame, teríamos a capacidade de examinar as pessoas e verificar se seus níveis de vitamina K2 são insuficientes".


Sem um teste adequado, buscamos vários fatores de estilo de vida que predispõem uma pessoa à deficiência. Como regra geral, caso você tenha os seguintes problemas de saúde, é possível que tenha deficiência de vitamina K2:

  • Osteoporose

  • Problemas cardíacos

  • Diabetes

Considera-se que a maioria das pessoas sofra de deficiência de vitamina K2 e, por isso, poderia se beneficiar com uma maior ingestão desse nutriente. Isso se deve em parte ao fato de que poucos indivíduos, especialmente os americanos, consomem alimentos ricos em vitamina K2.


Mesmo que você não tenha nenhuma das condições de saúde mencionadas, ainda há uma alta probabilidade de que tenha deficiência de vitamina K2, caso não consuma quantidades significativas dos alimentos listados abaixo:


  • Certos alimentos fermentados como natto ou vegetais fermentados usam uma cultura inicial de bactérias produtoras de vitamina K2

  • Certos queijos como Brie e Gouda (esses dois são ricos em K2)

  • Produtos orgânicos, de animais terminados a pasto, como gemas de ovos, fígado, manteiga e laticínios

Os diferentes tipos de vitamina K2

O mistério em torno da vitamina K é ainda mais intrincado vitamina do que apenas distinguir entre as variedades K1 e K2. Além disso, existem várias formas diferentes da vitamina K2. As duas principais e únicas opções de suplemento disponíveis são a menaquinona-4 (MK-4) e a menaquinona-7 (MK-7).


A forma MK-4 da vitamina K2 possui uma presença biológica breve, de cerca de 2,5 horas, tornando-a uma opção inadequada para suplementação. Por outro lado, a MK-7 permanece no organismo por três dias, o que resulta em uma melhor chance de manter níveis sanguíneos constantes quando utilizada como suplemento.


Na forma de suplemento, o MK-4 é sintético. Ele não deriva de produtos alimentícios naturais que contêm MK-4. O MK-7, a vitamina K2 natural de cadeia longa derivada de bactérias, por outro lado, vem de um processo de fermentação, que oferece uma série de vantagens para a saúde.


Estudos comprovam que a forma MK-7 da vitamina K2 ajuda a prevenir a inflamação, inibindo os marcadores pró-inflamatórios produzidos pelos monócitos, células brancas do sangue. O MK-7 é obtido a partir da fermentação do natto, um produto de soja japonesa, e sua maior durabilidade permite que seja ingerido apenas uma vez ao dia, enquanto a forma MK-4 necessita ser consumida três vezes ao dia. Além disso, o MK-7 permanece ativo por um período mais longo no organismo.


Quanto à dose útil de vitamina K2, alguns estudos demonstraram que apenas 45 mcg por dia podem ser suficientes. O Dr. Goodman recomenda tomar 180 microgramas por dia de MK-7. Caso consuma natto, você só precisa tomar uma colher de chá.


Isso posto, a vitamina K2 não é tóxica, então você não precisa se preocupar com uma overdose. Como última dica, lembre-se de que a vitamina K2 sozinha pode não fazer você se sentir melhor por si só. Seu funcionamento interno torna improvável que você se sinta diferente.


Essa questão pode ser problemática, pois as pessoas tendem a preferir suplementos que causam um efeito perceptível. Embora a vitamina K2 possa não ser tão evidente, isso não significa que ela não tenha um impacto positivo em sua saúde. E, por fim, é importante lembrar que a vitamina K é solúvel em gordura, portanto, é necessário ingeri-la juntamente com alguma fonte de gordura para que possa ser acondicionada pelo organismo.


- Recursos e Referências



Comments


bottom of page