• Ronaldo Gorga

Qual benefício da estévia?


O açúcar é muitas vezes o ingrediente principal usado para tornar os alimentos doces. Mas, embora seu sabor possa agradar inúmeras pessoas ao redor do mundo, consumir açúcar em quantidades excessivas é, na verdade, ruim para a saúde.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o americano médio consome hoje 17,4 colheres de chá de açúcar por dia, o que é muito preocupante, considerando que a maioria dos produtos hoje utiliza xarope de milho rico em frutose, que é muito mais doce do que o açúcar de mesa padrão. Para piorar as coisas, a ingestão excessiva de açúcar tem sido associada a muitas doenças, como diabetes tipo 2, doenças cardíacas, hipertensão e obesidade.

Em um esforço para reduzir os riscos associados ao consumo de açúcar, as empresas criaram adoçantes artificiais com gosto semelhante ao açúcar comum, supostamente sem os efeitos colaterais negativos. Porém, estudos indicam que essas afirmações são falsas, pois a ingestão de adoçantes artificiais tem efeitos semelhantes aos do açúcar - e alguns, como o aspartame, podem ter repercussões ainda mais prejudiciais.

Como o açúcar e os adoçantes artificiais são perigosos para a sua saúde, quais escolhas você tem? Uma opção que você pode escolher é usar adoçantes naturais como a estévia.

O que estévia?

Estévia (Stevia rebaudiana) é uma planta com sabor doce originária da América do Sul. Tem sido usado por mais de 1.500 anos para adoçar os alimentos na culinária sul-americana, foi apresentada ao mundo moderno no final de 1800 por Moises Santiago Bertoni, um botânico italiano.

Muito conhecida como ka'a he'e (erva-doce) pelos nativos, a estévia tem sido usada de várias maneiras além da culinária. Os exemplos incluem o tratamento de queimaduras, cólicas e problemas estomacais. Às vezes, as próprias folhas eram consumidas de maneira direta como uma guloseima. Hoje, a estévia é uma das principais opções no mercado, que atuam como substitutas do açúcar.

Como a estévia se compara a outros adoçantes?

A estévia é um dos adoçantes naturais mais populares usados ​​na atualidade. Assim, as pessoas o comparam a produtos semelhantes para decidir qual é o melhor para elas. Veja como a estévia se compara a outros adoçantes:

•Estévia vs. açúcar — a estévia é, sem dúvida, uma escolha melhor do que o açúcar, pois além de adoçar seus alimentos, tem vários benefícios potenciais para sua saúde (mais sobre isso depois). Por outro lado, o açúcar refinado, que é encontrado em muitos produtos, pode colocar em risco sua saúde, pois o consumo excessivo pode levar à obesidade e diabetes.

•Estévia vs. truvia — Truvia é um dos adoçantes alternativos mais populares da América. É derivado da planta estévia, mas também contém outros ingredientes que podem comprometer sua saúde. Na verdade, seu fabricante, a Cargill, foi alvo de vários processos judiciais por comercializar truvia como um produto "natural". E apesar de ser feito da planta da estévia, não contém esteviosídeos, que são os compostos associados aos benefícios da estévia para a saúde. Em vez disso, é melhor usar extrato de estévia orgânica certificada.

•Estévia vs. Splenda — semelhante ao Truvia, splenda pode de fato ser prejudicial à sua saúde. A pesquisa descobriu que a Sucralose, um ingrediente chave no Splenda, foi associada a níveis alterados de glicose e insulina em humanos, talvez até desempenhando um papel em certos tipos de câncer, de acordo com um estudo em animais.

•Estévia vs. xilitol — o xilitol é um adoçante derivado do álcool de açúcar (polióis), que é um híbrido de açúcar e uma molécula de álcool. Efeitos colaterais como gases, inchaço e diarreia também foram relatados. A estévia, por outro lado, é uma opção melhor, pois é de natureza doce e não causa efeitos colaterais.

•Estévia vs. mel cru — em comparação com outros adoçantes mencionados nesta lista, o mel cru pode de fato ser benéfico para a saúde. A pesquisa descobriu que ele tem propriedades antimicrobianas que podem ajudar a reduzir o risco de infecções, bem como antioxidantes que podem ajudar a combater os radicais livres em todo o seu sistema.

O mel cru é melhor do que a estévia? A resposta depende de suas necessidades. Se você está apenas adoçando sua comida, a estévia vai servir. No entanto, se você precisa de mais nutrientes, caso esteja lidando com uma inflamação, o mel cru pode ajudar.

Benefícios potenciais para a saúde da estévia

A estévia foi muito estudada e os especialistas descobriram que ela pode beneficiar sua saúde de várias formas. Aqui estão algumas das vantagens de usar estévia:

  • Ajuda a controlar o diabetes — Os glicosídeos da estévia são decompostos e absorvidos pelas bactérias no cólon, em vez de serem absorvidos pela corrente sanguínea. Isso ajuda a prevenir picos de açúcar no sangue, que podem beneficiar os diabéticos.

  • Auxilia para um peso saudável — Stevia é um alimento sem calorias, o que pode ajudar no controle do peso a longo prazo. Em outras palavras, substituir o açúcar por estévia, pode diminuir seu consumo calórico.

  • Ajuda a regular a pressão arterial — Os vários glicosídeos da estévia podem ajudar a relaxar os vasos sanguíneos, bem como aumentar a micção para ajudar a eliminar o excesso de sódio do corpo. Por sua vez, essas ações podem proteger seu coração, mantendo a pressão arterial normal.

  • Promove a saúde bucal — descobriu-se que a estévia tem propriedades antimicrobianas. Isso pode ajudar a manter uma boca saudável, reduzindo o risco de cáries e gengivite.

  • Ajuda a manter os ossos fortes — de acordo com um estudo em animais, a estévia pode ajudar a promover ossos saudáveis. Os pesquisadores descobriram que as galinhas que consumiam ração animal misturada com estévia tinham uma proporção menor de ovos quebrados, em comparação com as galinhas que consumiam apenas ração animal normal.

Como usar a estévia de diferentes maneiras

A estévia é usada na maioria das vezes como adoçante natural, em alimentos que utilizam açúcar. Isso permite que as pessoas minimizem os riscos de desenvolver problemas relacionados ao diabetes, causados ​​por níveis elevados de açúcar no sangue. Se você não tem experiência com estévia, aqui estão duas maneiras de fazer uso desta planta:

  • Use em bebidas como limonada e chá

  • Adoçar marinadas e molhos, como molho barbecue

Seus efeitos colaterais são quase inexistentes

Embora a estévia possa ser doce, ela não representa nenhum perigo para a saúde. No Japão, os produtos da estévia são consumidos há décadas e não há relatos de efeitos colaterais. De acordo com um estudo da Sugar Tech:

“Poucas substâncias produziram resultados tão negativos em testes de toxicidade, como a estévia. Quase todos os testes de toxicidade existentes ​​foram realizados com extrato de estévia (concentrado) ou esteviosídeo, em um momento ou outro. Os resultados são sempre negativos."

Fatos nutricionais sobre a estévia

A estévia é 200 vezes mais doce que o açúcar. Contento glicosídeos exclusivos, como esteviosídeo, rebaudiosídeo-A, rebaudiosídeo-C e dulcosídeo-A. De acordo com um estudo de 2017, ela contém: "glicosídeos menores, como rebaudiosídeo-B, rebaudiosídeo-C (12%), rebaudiosídeo-D, rebaudiosídeo-E, rebaudiosídeo-F, dulcosídeo-A, dulcosídeo-C e esteviolbiosídeo, também como flavonóides glicosídeos, cumarinas, ácidos cinâmicos, fenilpropanóides e alguns óleos essenciais."

A estévia é uma alternativa viável ao açúcar, porém use-a com moderação

Substituir o açúcar pela estévia pode ajudar a melhorar o perfil nutricional de seus alimentos e bebidas favoritos, permitindo que você os aprecie de maneira regular, sem causar problemas de saúde. No entanto, caso você tenha problemas de resistência à insulina, sugiro que evite todas as formas de adoçantes, incluindo a estévia, pois eles podem diminuir sua sensibilidade à insulina e colocá-lo em risco de obesidade e diabetes. Além disso, tente limitar o consumo de açúcar a 25 gramas ou menos por dia de todas as fontes, incluindo frutas.

Para ajudar a conter o desejo por doces, recomendo beber café preto orgânico ou consumir vegetais fermentados. Os alimentos fermentados, em particular, não apenas ajudam a reduzir o desejo de consumir algo doce devido ao seu sabor azedo, mas também contêm probióticos e fibras, que podem ajudar a promover uma saúde melhor.