• Ronaldo Gorga

O que acontece quando você consome alimentos ultraprocessados durante um mês?


O repórter da BCC consumiu apenas alimentos ultraprocessados ​​durante um mês

O apresentador de televisão da BBC, Dr. Chris van Tulleken, estava interessado em saber o que aconteceria se ele mudasse sua dieta por apenas um mês. Tulleken, apresentador de "Com o que estamos alimentando nossos filhos?" Estava curioso sobre como os alimentos ultraprocessados ​​afetam nossos corpos. A BBC informa que no Reino Unido, assim como nos EUA, mais da metade da energia média dos alimentos na dieta vem de produtos ultraprocessados.

As mudanças cerebrais que ocorreram no curto período de tempo em que Tulleken consumiu grandes quantidades de produtos processados ​​não foram permanentes. No entanto, não é possível fazer a mesma suposição caso a dieta seja seguida por meses ou anos. Além disso, Tulleken aponta "se ela pode fazer isso com meu cérebro de 42 anos de idade em quatro semanas, o que está fazendo com o frágil cérebro em desenvolvimento de nossos filhos?"

Você come mais quando consome alimentos ultraprocessados

Tulleken também descobriu que consumia cerca de 500 calorias a mais por dia antes de iniciar a dieta ultraprocessada. Isso foi coerente com um estudo do National Institutes of Health conduzido por Kevin Hall, Ph.D., pesquisador sênior do Programa de Pesquisa Intramural do NIH. Na pesquisa de Hall, ele comparou duas dietas pelo teor de macronutrientes, açúcar, sal e fibra de cada uma.

Uma dieta consistia em cerca de 80% de produtos ultraprocessados ​​e a outra era uma dieta não processada. O grupo consumiu a dieta ultraprocessada durante duas semanas e depois trocou para a dieta não processada, enquanto foi admitido e monitorado no NIH Clinical Center.

Os participantes foram encorajados a comer a quantidade que quisessem. Os cientistas descobriram que quando os participantes ingeriram a dieta ultraprocessada, consumiram mais carboidratos, mas não ingeriram proteína. Nas duas semanas de pesquisa, os participantes que tiveram uma dieta ultraprocessada ganharam em média 900 gramas e, depois, quando ingeriram a dieta não processada, perderam a mesma quantidade de peso.

A BBC relatou que a equipe de Hall também mediu biomarcadores hormonais responsáveis ​​pela sensação de fome e saciedade. Como você poderia esperar, o hormônio responsável pela fome (grelina) aumentou e aquele responsável pela sensação de saciedade (leptina) diminuiu enquanto os participantes comiam os produtos ultraprocessados.

Esses resultados foram consistentes com a experiência de Tulleken, pois seu nível de grelina aumentou 30% durante as quatro semanas em que ele comeu produtos ultraprocessados. Naquele mês, ele começou a desejar comida com mais frequência e comer mais rápido, o que pode ter contribuído para comer mais. O que é classificado como um alimento ultraprocessado pode surpreendê-lo.

O NOVA classifica as categorias de alimentos de acordo com a extensão e finalidade do processamento e não em termos de nutrientes encontrados nos alimentos. O NOVA é reconhecido como uma ferramenta válida para a pesquisa em nutrição e saúde pública e é usado em relatórios das Nações Unidas e da Organização Pan-Americana da Saúde.

De acordo com a NOVA, os alimentos e bebidas ultraprocessados contém formulações industriais, podendo ter cinco ou mais desses tipos de ingredientes. Embora esta lista abaixo não seja completa, ela oferece uma visão sobre os tipos de alimentos considerados ultraprocessados. Como você pode ver, alguns são produtos exibidos como uma opção alimentar saudável como cereais matinais, barras energéticas e iogurte de frutas.

Alimentos Ultraprocessados Aumentam Risco de Doenças

Vários estudos identificaram riscos de doenças associadas ao consumo de alimentos ultraprocessados. Em um estudo, os pesquisadores coletaram dados sobre a ingestão alimentar de 105.159 participantes. O principal resultado medido foi o risco de doenças cardiovasculares e cerebrovasculares.

O tempo de acompanhamento médio dos participantes foi de 5,2 anos, durante o qual os pesquisadores descobriram que a ingestão de alimentos ultraprocessados estava de fato associada a um maior risco de doenças cardiovasculares. Os resultados foram significativos do ponto de vista estatístico, mesmo após o ajuste para marcadores de qualidade nutricional e uma grande variedade de análises de sensibilidade.

Doença metabólica aumenta o risco de COVID-19

Como Telleken descobriu, os alimentos ultraprocessados ​​são criados para serem atraentes, hiperpalatáveis e viciantes. Isso tudo devido a aditivos, embalagem, marketing engenhosos e “conveniência”. Esses produtos ultraprocessados ​​são preenchidos com calorias vazias e desprovidos de vitaminas, minerais, enzimas hepáticas, micronutrientes, gorduras e proteínas de alta qualidade.

O Dr. Aseem Malhotra é cardiologista honorário do Lister Hospital em Stevenage, Inglaterra. De acordo com um artigo que ele escreveu no European Scientist, alimentos ultraprocessados causam:

"... doença metabólica crônica que pode afetar muitos de peso "normal". Além disso, a obesidade sarcopênica pode resultar na classificação incorreta de muitos pacientes idosos com IMC normal durante a admissão hospitalar por COVID-19 ... Não existe essa coisa de peso saudável, apenas pessoas saudáveis.

Um comentário recente da In Nature afirma que "pacientes com diabetes tipo 2 e síndrome metabólica podem ter até 10 vezes mais risco de morte quando contraem COVID-19" e solicita o controle glicêmico e metabólico obrigatório de pacientes com diabetes tipo 2 para melhorar os resultados."

Desde a afirmação de Malhotra's no início de 2020, vários estudos que foram publicados mostraram como comorbidades como obesidade e diabetes tipo 2 aumentam o risco de COVID-19 com complicações e piores resultados. Isso sugeriu aos cientistas que a síndrome metabólica e as consequências dela podem ser um “indicador de melhor prognóstico” para desfechos graves do que os componentes individuais da síndrome.

Sua dieta é um fator conclusivo na saúde e longevidade

Como décadas de dados demonstraram, os alimentos que você ingere são um fator-chave, um indicador de prognóstico de sua saúde geral e longevidade esperada. Sem dúvida, existe uma grave epidemia de saúde mundial, e não é o COVID-19. A epidemia de obesidade não tem uma resposta rápida e fácil; grande parte dela está ligada à dieta alimentar. As consequências dessa condição de saúde são de longo alcance e podem ser letais.

É importante lembrar que a sua alimentação é a base sobre a qual sua saúde é construída. Portanto, consumir uma dieta de alimentos processados ​​é uma receita para um desastre de longo prazo. Se você tem acesso a alimentos de verdade, é importante reservar tempo para prepará-los e aproveitar as sobras da melhor forma possível.

Com um pouco de dedicação e planejamento, também é possível cultivar alimentos em pequenos espaços, incluindo dentro de casa. É possível consumir uma dieta baseada em 90% de alimentos reais e 10% ou menos de alimentos processados. Isso pode fazer uma diferença significativa no controle de peso e na saúde geral. Para obter uma lista de orientações para ajudá-lo a começar, consulte “porque que uma caloria não é uma caloria.”