• Ronaldo Gorga

O óleo de coco ajuda a manter um peso saudável


Muitas pessoas ainda acreditam que as gorduras saturadas, como o óleo de coco, são “engordantes” e ruins para o coração – um mito generalizado que começou em 1953, após a publicação de um estudo seriamente falho do Dr. Ancel Keys.


Mas a verdade é que o óleo de coco é um dos óleos mais saudáveis ​​que você pode consumir, especialmente para cozinhar, e é por isso que é um dos dois únicos óleos que você encontrará em um galão na minha cozinha.


Muitas pessoas ficam inicialmente surpresas quando descobrem que o óleo de coco é realmente bom para você, mas certamente é - e pode até ajudá-lo a atingir suas metas de perda de peso.




Por que o tamanho da sua cintura é tão importante?


Como você deve saber, o tamanho da sua cintura não é apenas estética, é também um poderoso indicador do acúmulo de gordura visceral, um tipo perigoso de gordura encontrado em torno de seus órgãos internos, que está intimamente relacionado com diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.


Seu tamanho da cintura é um preditor muito mais preciso de seus riscos cardíacos, até mesmo do que seu índice de massa corporal (IMC). O tamanho da cintura também é um poderoso indicador da sensibilidade à insulina, pois estudos mostram claramente que medir o tamanho da cintura é uma das maneiras mais eficazes de prever o risco de diabetes.


Se você quiser determinar se o tamanho da sua cintura está em uma faixa saudável, use uma fita métrica para encontrar a distância em torno da menor área do seu abdômen, abaixo das costelas e acima do umbigo. Em seguida, compare suas medidas com este guia geral:


  • Para os homens, 37 a 40 polegadas está acima do peso e mais de 40 polegadas é obeso.

  • Para as mulheres, entre 31,5 e 34,6 polegadas está acima do peso e mais de 34,6 polegadas é obesa.




O óleo de coco diminui o tamanho da sua cintura



Quando 20 homens obesos adicionaram óleo de coco à sua dieta por quatro semanas, a circunferência da cintura diminuiu significativamente, com uma redução média de 2,86 cm. Os pesquisadores observaram:


“[Óleo de coco virgem] é eficaz na redução da CC [circunferência da cintura], especialmente em homens, e é seguro para uso em humanos”.


Um estudo semelhante de 12 semanas em mulheres, publicado na revista Lipids, também descobriu que a suplementação dietética com óleo de coco pode levar à redução da circunferência da cintura, entre outros benefícios, em comparação com a suplementação com óleo de coco.


As mulheres foram divididas em dois grupos de 20 participantes cada e receberam uma suplementação diária de 30 ml (cerca de duas colheres de sopa) de óleo de soja ou óleo de coco. Elas também seguiram uma dieta balanceada de baixa caloria e caminharam 50 minutos por dia. Qual foi o resultado final?


O grupo do óleo de coco apresentou:


  • Níveis mais altos de HDL (colesterol bom)

  • Relação LDL/HDL mais baixa

  • Menor circunferência da cintura/obesidade abdominal


O grupo do óleo de soja apresentou:


  • colesterol total mais alto

  • LDL mais alto (colesterol ruim)

  • Razão LDL/HDL mais alta

  • Baixa HDL (colesterol bom)

  • Sem redução na circunferência da cintura/obesidade abdominal


Muitos dos benefícios do óleo de coco podem ser devido ao seu conteúdo de ácidos graxos de cadeia média (MCFA), também chamados de triglicerídeos de cadeia média ou MCTs, em oposição aos ácidos graxos de cadeia longa, encontrados em óleos vegetais. Óleo de soja e em gorduras animais, como banha. Os autores concluíram:


“Parece que a suplementação dietética com óleo de coco não causa dislipidemia [uma quantidade anormal de colesterol ou gordura no sangue] e parece promover a redução da obesidade abdominal”.





Por que os ácidos graxos de cadeia média são tão bons para você – e seu peso


O óleo de coco é a fonte natural mais rica de MCFA saudável. Em contraste, os óleos vegetais ou de sementes mais comuns são compostos de ácidos graxos de cadeia longa (LCFA), também conhecidos como triglicerídeos de cadeia longa ou LCTs.


Existem várias razões pelas quais esses ácidos graxos de cadeia longa não são tão saudáveis ​​para você quanto os MCFAs no óleo de coco: Além disso, muitos LCFAs vêm de óleos vegetais GM que são carregados com gorduras ômega-6.


É melhor não apenas ficar longe de alimentos OGM, mas você deve evitar esses óleos vegetais, mesmo que sejam orgânicos, pois são altamente processados ​​e também distorcem sua frágil proporção de ômega 6/3.


SCFAs são difíceis para o corpo quebrar: eles devem ser carregados com lipoproteínas, ou proteínas transportadoras, e requerem enzimas especiais para a digestão.


  • Os LCFAs fazem com que o pâncreas, o fígado e todo o sistema digestivo trabalhem mais.

  • Os LCFAs são armazenados principalmente como gordura no corpo.

  • O ClFA, quando oxidado, pode se depositar nas artérias, o que contribui para a inflamação dos vasos sanguíneos e o acúmulo de placa.


Por outro lado, os MCFAs no óleo de coco são mais promotores de saúde, pois:


  • AGCMs são menores. Eles penetram facilmente nas membranas celulares e não requerem lipoproteínas ou enzimas especiais para serem usados ​​efetivamente pelo corpo.

  • Os MUFAs são fáceis de digerir, então eles colocam menos pressão no seu sistema digestivo. Isto é especialmente importante para pessoas que sofrem de problemas digestivos ou metabólicos.

  • Os MCFAs são enviados diretamente para o fígado, onde são imediatamente convertidos em energia, em vez de serem armazenados como gordura.

  • Os MCFAs no óleo de coco podem ajudar a estimular o metabolismo do corpo, promovendo assim a perda de peso.



Existem numerosos estudos mostrando que os MCFAs promovem a perda de peso, incluindo um que mostra que os ratos alimentados com LCFA armazenaram gordura corporal, enquanto aqueles alimentados com MCFAs reduziram sua gordura corporal e melhoraram sua sensibilidade à insulina e sua tolerância à glicose.



Os pesquisadores concluíram:


"Consequentemente, podemos considerar os MCTs como agentes que ajudam a prevenir a obesidade ou potencialmente estimulam a perda de peso".


Além disso, uma descoberta muito emocionante é que o óleo de coco pode até funcionar como um tratamento natural para a doença de Alzheimer, já que os MCTs também são uma importante fonte de corpos cetônicos, que atuam como uma fonte alternativa de energia cerebral que pode ajudar a prevenir a atrofia cerebral relacionada à demência.


O óleo de coco também é rico no ácido láurico derivado de ácidos graxos de cadeia média, que é convertido em monolaurina no organismo – composto também encontrado no leite materno, que fortalece a imunidade do bebê e possui propriedades antivirais, antibacterianas e antiprotozoárias.


Por que o óleo de coco conseguiu o papel de vilão errado


Nos últimos 60 anos, a gordura saturada, como o óleo de coco, foi erroneamente demonizada como causa de colesterol alto e doenças cardíacas, quando na verdade o oposto sempre foi correto.


Nas décadas seguintes, a indústria de óleo vegetal continuou a demonizar o óleo de coco, em particular. A indústria do óleo de soja foi especialmente implacável ao condenar o uso de óleos tropicais e tenho certeza que você percebe o porquê – concorrência... e milhões e milhões de dólares.


Infelizmente, a indústria do petróleo tropical, centrada em nações mais pobres como as Filipinas e a Indonésia, foi incapaz de lidar com a propaganda negativa espalhada por conglomerados industriais nos ricos Estados Unidos. E nos Estados Unidos, o óleo de coco em grande parte saiu do radar, exceto por alguns pequenos grupos de profissionais de saúde que examinaram a pesquisa por si mesmos ou experimentaram pessoalmente seus resultados positivos.


No entanto, afinal, as propriedades curativas do óleo de coco eram visíveis para qualquer um que estivesse disposto a observá-las. Na década de 1930, um dentista chamado Dr. Weston Price viajou pelo Pacífico Sul para examinar as dietas tradicionais e seus efeitos na saúde geral e dental. Descobriu-se que aqueles que comiam uma dieta rica em produtos de coco eram saudáveis ​​e em forma, apesar da alta concentração de gordura em sua dieta.


Da mesma forma, em 1981, pesquisadores estudaram as populações de dois atóis polinésios. O coco foi a principal fonte de energia calórica em ambos os grupos. Os resultados, publicados no American Journal of Clinical Nutrition, mostraram que ambas as populações apresentaram saúde vascular positiva. Não houve evidência de que a alta ingestão de gordura saturada tenha um efeito prejudicial nessas populações.



Por que o óleo de coco é a MELHOR escolha para cozinhar


Quer você queira perder peso ou não, é importante usar o óleo de coco como óleo de cozinha primário, porque é o único que é estável o suficiente para resistir aos danos induzidos pelo calor. O azeite extra-virgem, embora ótimo como molho de salada e outros usos que não sejam de calor, não deve ser usado na culinária. Devido à sua estrutura química (é uma ligação dupla de carbono por ácido graxo), o calor o torna suscetível a danos oxidativos.


E as gorduras poliinsaturadas, que incluem óleos vegetais comuns como milho, soja, cártamo, girassol e canola, são absolutamente os piores óleos para cozinhar. Esses óleos ômega-6 são altamente suscetíveis a danos causados ​​pelo calor devido às suas múltiplas ligações de carbono duplo.


O óleo de coco é muito superior a qualquer outro óleo de cozinha e é carregado de benefícios para a saúde, sem mencionar seu sabor. Certifique-se de escolher o óleo de coco orgânico, não refinado e não branqueado, que não foi processado com calor ou produtos químicos e não contém ingredientes OGM.



FONTES E REFERÊNCIAS