• Ronaldo Gorga

Magnésio e a função imunológica



Nesses últimos tempos com o surgimento e crescimento do COVID-19, muitas pessoas tem voltado sua atenção para uma melhor suplementação de vitaminas e minerais com o intuito de melhorar a função imunológica.


A vitamina D tomou uma notoriedade grande, mas hoje vamos falar de um mineral que está em sinergia com ela, o magnésio e como essa dupla desempenha um papel na função cognitiva entre adultos mais velhos.


A vitamina D não apenas protege as estruturas neuronais, mas também desempenha um papel importante na regulação neuronal do cálcio e afeta o risco de neurodegeneração à medida que envelhecemos. Enquanto isso o magnésio além de ser necessário para ativar a vitamina D, pode desempenhar um papel na saúde cognitiva. Fora que a deficiência de magnésio tem sido implicada em vários distúrbios neurológicos.


Embora em alguns estudos a ingestão de magnésio por si só não pareça ter um impacto na função cognitiva, outras pesquisas destacaram seu papel na cognição saudável. O comprometimento da memória ocorre quando as conexões (sinapses) entre as células do cérebro diminuem. Enquanto muitos fatores podem entrar em jogo, o magnésio é importante.


O magnésio é um participante crítico na ativação dos canais nervosos envolvidos na plasticidade sináptica. Isso significa que o magnésio é crítico para os eventos fisiológicos que são fundamentais para os processos de aprendizado e memória.


Quando tomamos apenas o suplemento de vitamina D, ela é armazenada em sua forma inativa, porém quando temos níveis adequados de magnésio, ele transforma a vitamina D em sua forma ativa.


A interação entre magnésio e vitamina D não é uma via de mão única. Vai nos dois sentidos. É interessante notar que, embora a vitamina D melhore a absorção de magnésio, tomar grandes doses de vitamina D também pode esgotar o magnésio.Novamente, a razão disso é porque o magnésio é necessário na conversão da vitamina D em sua forma ativa.


A dose diária recomendada de magnésio é de cerca de 310 a 420 mg por dia, dependendo da sua idade e sexo, mas muitos especialistas acreditam que você pode precisar de 600 a 900 mg por dia.


No que diz respeito à suplementação o treonato de magnésio, parece ser o mais eficiente em penetrar nas membranas celulares, incluindo suas mitocôndrias e barreira hematoencefálica. Mas também o malato de magnésio, citrato de magnésio e magnésio iônico do hidrogênio molecular, tem em cada comprimido 80 mg de magnésio elementar.


Por último, mas não menos importante, embora você ainda precise de suplementação de magnésio (devido a solos desnaturados), certamente seria sensato tentar obter o máximo possível de magnésio em sua dieta. Vegetais de folhas verde-escuras lideram o pacote quando se trata de conteúdo de magnésio, e o suco de seus vegetais é uma excelente maneira de aumentar sua ingestão. Alimentos com altos níveis de magnésio incluem:

  • Abacate;

  • Acelga;

  • Nabos;

  • Ervas e especiarias como coentro, cebolinha, sementes de cominho, salsa, mostarda, erva-doce, manjericão e cravo;

  • Brócolis;

  • Alface Romana.



Fale com a gente (11) 97658-4670

  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon

Copyright © 2020 Dr. Ronaldo Gorga. Todos os Direitos Reservados