top of page
  • Foto do escritorRonaldo Gorga

Desvendando os Segredos da Memória: Qual O Papel dos Multivitamínicos?

Um estudo revelou que a suplementação multivitamínica pode melhorar a memória em adultos mais velhos.



Embora seja comum que pessoas mais velhas tenham dificuldades para lembrar nomes e números, a Alzheimer's Association informa que entre 12% e 18% das pessoas com 60 anos ou mais têm comprometimento cognitivo leve (MCI), o estágio inicial de perda de memória ou outras habilidades cognitivas. Manter essas habilidades é fundamental para viver de forma independente, algo que quase 90% dos americanos com 50 anos ou mais desejam, conforme mostram as pesquisas.


Muitas pessoas nessa faixa etária acreditam que seus lapsos de memória são inevitáveis "momentos de senioridade". No entanto, muitos desses problemas não estão diretamente relacionados ao envelhecimento. O estudo recente mostrou que a suplementação multivitamínica pode ajudar a reduzir esses desafios de memória de curto prazo.


Portanto, além de manter uma dieta equilibrada e um estilo de vida ativo, considerar a suplementação multivitamínica pode ser uma estratégia eficaz para preservar a saúde cognitiva e a independência à medida que envelhecemos.


Suplementos Multivitamínicos Melhoram a Memória em Idosos


O uso de multivitamínicos tem gerado debates devido aos resultados variados em estudos anteriores. No entanto, uma pesquisa recente realizada por cientistas da Harvard Medical School e da Columbia University em 2023 trouxe evidências promissoras. Este estudo demonstrou que a suplementação multivitamínica pode melhorar a memória e retardar o declínio cognitivo em adultos mais velhos.


Os dados foram obtidos do COcoa Supplement and Multivitamin Outcomes Study Web (COSMOS-Web), um estudo auxiliar do COSMOS. Participaram 3.562 idosos, que foram divididos em dois grupos: um recebeu o suplemento multivitamínico (Centrum Silver) e o outro, um placebo.


O principal foco do estudo foi observar mudanças na memória episódica após um ano de uso do suplemento. Além disso, outras mudanças foram monitoradas ao longo de três anos. Os participantes passaram por testes neuropsicológicos anuais administrados online.


Os resultados mostraram que aqueles que tomaram o multivitamínico tiveram uma melhoria na recordação imediata no primeiro ano, um benefício que se manteve ao longo do acompanhamento. Contudo, não foram observadas diferenças significativas em outras medidas ao longo dos três anos. Os pesquisadores concluíram que a suplementação multivitamínica resultou em um desempenho cognitivo equivalente a 3,1 anos de desaceleração do declínio da memória relacionado à idade.


O estudo COSMOS, patrocinado pelo Brigham and Women's Hospital com financiamento do Fred Hutchinson Cancer Center, Mars, Inc., e Pfizer (que forneceu os suplementos e placebos), visava também avaliar os efeitos do extrato de cacau. Embora o extrato de cacau não tenha mostrado um impacto significativo na redução de eventos cardiovasculares, ele reduziu as mortes por doenças cardiovasculares em 27% e não teve efeito significativo na incidência total de cânceres. Além disso, a suplementação diária de multivitaminas mostrou reduzir o câncer de pulmão em 38%.


Este estudo sugere que a suplementação multivitamínica pode ser uma estratégia eficaz para melhorar a saúde cognitiva e retardar o declínio mental em idosos, oferecendo uma maneira simples e potencialmente poderosa de apoiar a memória e a função cerebral à medida que envelhecemos.


A Alimentação é Crucial para uma Boa Saúde


A alimentação desempenha um papel vital na saúde e bem-estar geral. Estudos recentes destacam a importância da dieta na manutenção da função cognitiva e na prevenção de doenças crônicas.


Pesquisas realizadas pelo mesmo grupo de cientistas mostraram que o uso diário de multivitamínicos por três anos proporciona amplos benefícios cognitivos, incluindo melhorias na memória episódica, função executiva e cognição global. Esses resultados são mais abrangentes do que os observados em estudos anteriores.


Em contraste, o Physicians Health Study II não encontrou benefícios cognitivos significativos em médicos que tomaram multivitamínicos, possivelmente devido ao início tardio das avaliações.

Esses resultados sugerem que multivitamínicos podem corrigir deficiências nutricionais, proporcionando melhorias iniciais na cognição. No entanto, mais pesquisas são necessárias.


Esses achados sugerem que os multivitamínicos podem corrigir deficiências nutricionais subjacentes, resultando em melhorias cognitivas que não são contínuas, mas que estabilizam após um período inicial de uso. No entanto, são necessárias mais pesquisas para explorar essa hipótese.


Além dos multivitamínicos, a qualidade da dieta é essencial. Alimentos ultraprocessados aumentam o risco de morte precoce, especialmente devido ao ácido linoléico ômega-6. Estudos também mostram um declínio no valor nutricional dos alimentos, com reduções em ferro, proteínas, manganês, magnésio e zinco.


Para melhorar a saúde a longo prazo, é crucial consumir alimentos naturais e minimamente processados, incluindo frutas, vegetais, proteínas magras e grãos integrais.


A Importância da Colina para a Memória e Cognição


O Comitê Consultivo de Diretrizes Dietéticas informou em 2020 que a maioria dos americanos não consome colina suficiente. Este nutriente essencial, muitas vezes esquecido, é vital para o cérebro e o sistema nervoso, regulando humor, memória e controle muscular. Além disso, a colina é crucial para o metabolismo e a saúde cardiovascular.


Seu corpo necessita de colina para diversas funções, incluindo a manutenção da saúde cerebral e do sistema nervoso, regulando humor, memória e controle muscular. Além disso, a colina é crucial para o metabolismo, redução do risco de doenças cardiovasculares, melhora do desempenho cognitivo e controle da ansiedade.


Como o corpo humano não produz colina, é necessário obtê-la através da dieta. A deficiência desse nutriente pode ter efeitos negativos significativos, como o aumento de gordura no fígado, levando à doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD) e esteato-hepatite não alcoólica. Durante a gravidez, a colina é essencial para o desenvolvimento cerebral do feto e para manter níveis adequados de homocisteína.


Grupos com maior risco de deficiência de colina incluem atletas de resistência, mulheres na pós-menopausa, vegetarianos, veganos e consumidores frequentes de álcool. O fígado bovino alimentado com capim é a fonte mais rica de colina, com 430 mg por 100 gramas. No entanto, como o fígado não é um alimento popular, os ovos são uma alternativa viável, oferecendo 169 mg de colina por ovo, principalmente na gema.


Para manter a saúde ideal, é crucial incorporar fontes ricas de colina na dieta, assegurando-se de obter quantidades suficientes desse nutriente vital.


Nutrientes Essenciais para a Memória e Cognição


Além da colina, outros nutrientes desempenham papéis vitais na saúde cognitiva, muitas vezes subestimados.


Vitamina B: Estudos apontam que altas doses do complexo B podem retardar o encolhimento cerebral em idosos e até mesmo manter o declínio cognitivo. Esse tipo de suplementação pode ser considerado preventivo para casos de comprometimento cognitivo leve.


Vitamina D: Conhecida como "vitamina do sol", a vitamina D está associada a um menor risco de comprometimento cognitivo leve. Sua deficiência pode levar a um maior declínio na memória visual.


Probióticos: O equilíbrio intestinal impacta diretamente a cognição. Estudos sugerem que o uso de probióticos pode melhorar a função cerebral e reduzir o estresse percebido, especialmente em idosos.


Magnésio: Este mineral é essencial para a função neural normal. Estudos mostram que níveis adequados de magnésio podem melhorar aprendizado, memória e função cognitiva em idosos.


Ácidos Graxos Ômega-3: Importantes para a divisão celular e função cognitiva, os ômega-3 estão associados ao desenvolvimento cerebral e podem reduzir o risco de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e demência. Optar por uma proporção equilibrada de ômega-3 e ômega-6 é crucial para a saúde cerebral.





Referências



Comments


bottom of page