• Ronaldo Gorga

Como adoçantes artificiais destroem seu intestino


Apenas 2 latas de refrigerante diet podem alterar bactérias benéficas

A pesquisa molecular atual da Angelia Ruskin University descobriu que quando E. coli e E. faecalis tornam-se patogênicos, eles mataram células Caco-2 que cobrem as paredes dos intestinos. Muitas das pesquisas anteriores que demonstraram uma mudança nas bactérias intestinais usaram Sucralose.

Entretanto, os dados deste estudo mostraram que a concentração de duas latas de refrigerantes diet, usando qualquer um dos três adoçantes artificiais, pode aumentar de maneira significativa a capacidade de E. coli e E. faecalis para aderir às células Caco-2 e aumentar o desenvolvimento de biofilmes bacterianos.

Quando as bactérias criam um biofilme, ele determina a invasão da parede celular intestinal. Os biofilmes tornam as bactérias menos sensíveis ao tratamento e mais propensas a expressar a virulência que causa a doença. Cada um dos três adoçantes testados também fez com que as bactérias invadissem as células Caco-2, com uma exceção.

Os pesquisadores descobriram que a sacarina não teve um efeito significativo sobre a E. coli na invasão das células Caco-2. Havovi Chichger, Ph.D., autor principal e conferencista sênior na Biomedical Science da Anglia Ruskin University, falou sobre os resultados da pesquisa em um comunicado à imprensa:

“Há muita preocupação com o consumo de adoçantes artificiais, algumas pesquisas mostram que os adoçantes podem afetar a camada de bactérias que sustenta o intestino, conhecida como microbiota intestinal.

Nossa pesquisa é a primeira a mostrar que alguns dos adoçantes mais comuns encontrados em alimentos e bebidas - sacarina, sucralose e aspartame - podem fazer com que bactérias intestinais normais e "saudáveis" se tornem patogênicas. Essas alterações patogênicas incluem maior formação de biofilmes e aumento da adesão e invasão de bactérias nas células intestinais humanas.

Essas mudanças podem levar à invasão de nossas próprias bactérias intestinais e causar danos ao nosso intestino, o que pode estar relacionado a infecção, sepse e falência múltipla dos órgãos”.

Adoçantes artificiais podem sabotar suas metas dietéticas

Para muitas pessoas, o gosto por doces se tornou um vício, alimentado por uma indústria alimentícia que continua a desenvolver alimentos mais palatáveis, baratos e ultra processados carregados de açúcar e adoçantes artificiais. Logo, a indústria da dieta se tornou um mercado-chefe para os fabricantes de alimentos de baixo teor calórico criados em laboratório que promovem a perda de peso.

Uma pesquisa da George Washington University Milken Institute School of Public Health publicado em 2017 descobriu que houve um salto de 54% em adultos que usaram adoçantes de baixa caloria de 1999 a 2012. Isso representa 41,4% de todos os adultos nos EUA naquela época, ou 129,5 Milhões de pessoas. Em 2020, o número saltou para 141,18 milhões, 42,6% da população.

Parece que o salto em adultos usando adoçantes de baixa caloria que ocorreu de 1999 a 2012 permaneceu estável até 2020. Isso pode ser devido em parte à evidência crescente de que adoçantes de baixa caloria, como Splenda, são um grande contribuinte para o número crescente de indivíduos com sobrepeso e obesidade.

Como a incidência de obesidade e as condições de saúde relacionadas à obesidade continuam disparadas, os fabricantes procuram “alimentos melhor elaborados” para impulsionar as vendas e o consumo.

Como consequência disso, a epidemia de obesidade é um dos maiores desafios de saúde pública global hoje, associada a 4,7 milhões de mortes prematuras em todo o mundo em 2017. Pesquisas recentes sugerem que adoçantes artificiais podem contribuir para uma gama maior de problemas de saúde do que identificamos até agora.

Os efeitos metabólicos de adoçantes com zero caloria

É importante reconhecer que, embora os adoçantes artificiais tenham poucas ou nenhuma caloria, eles ainda são ativos do ponto de vista metabólico. O New York Times relatou que o FDA anunciou que estava proibindo a sacarina em alimentos e bebidas em 1977 porque estava ligada ao desenvolvimento de tumores malignos na bexiga de animais de laboratório. No entanto, a sacarina agora está aprovada para uso pelo FDA, que diz:

“No início da década de 1970, a sacarina foi associada ao desenvolvimento de câncer de bexiga em ratos de laboratório, o que levou o Congresso a exigir estudos adicionais sobre a sacarina e a presença de um rótulo de advertência em produtos contendo sacarina até que tal advertência se mostrasse desnecessária.

Desde então, mais de 30 pesquisas em humanos demonstraram que os resultados encontrados em ratos não eram relevantes para os humanos e que a sacarina é segura para consumo humano.”

Mas só porque o FDA aprovou algo não significa que seja bom para a saúde. Os cientistas explicam que muitas pesquisas ligaram os adoçantes artificiais a um maior risco de obesidade, resistência à insulina, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica. Um artigo publicado na Physiology and Behavior apresentou três mecanismos pelos quais adoçantes artificiais promovem a disfunção metabólica:

  • Eles interferem nas respostas adquiridas que contribuem para o controle da glicose e homeostase energética

  • Eles destroem a microbiota intestinal e induzem a intolerância à glicose

  • Eles interagem com os receptores do sabor doce espalhados pelo sistema digestivo, que são importantes para a absorção da glicose, e causam a secreção de insulina.

Como pesquisas anteriores e recentes demonstraram, adoçantes artificiais têm um efeito muito diferente no microbioma intestinal do que o açúcar. O açúcar é prejudicial porque tende a alimentar micróbios nocivos, mas os efeitos dos adoçantes artificiais podem ser piores, pois são tóxicos para as bactérias intestinais.

Uma pesquisa realizada em animais publicada na revista Molecules analisou seis adoçantes artificiais, incluindo sacarina, sucralose, aspartame, neotame, Advantame e acessulfame de potássio-K. Os dados mostraram que todos eles causaram danos ao DNA e interferiram na atividade normal e saudável das bactérias intestinais.

As bebidas dietéticas aumentam o risco de morte prematura

Uma pesquisa de base populacional realizada ao longo de 20 anos com 451.743 pessoas de 10 países europeus descobriu que havia uma associação entre bebidas adoçadas de maneira artificial e a mortalidade. Os pesquisadores excluíram participantes que já haviam tido câncer, AVC e diabetes.

Na contagem final, 71,1% dos participantes do estudo eram mulheres. Os resultados mostraram que havia uma mortalidade geral mais alta em pessoas que bebiam dois ou mais copos de refrigerantes por dia, fossem adoçados com açúcar ou adoçantes artificiais.

Os pesquisadores mediram um copo como equivalente a 250 mililitros, que é menos do que os 330 mililitros padrão das latas de refrigerante vendidas na Europa. Em outras palavras, os resultados do estudo foram baseados em menos de duas latas de refrigerante por dia.

Os pesquisadores descobriram que 43,2% das mortes foram por câncer, 21,8% por doenças circulatórias e 2,9% por distúrbios digestivos. Em comparação com aqueles que bebiam menos refrigerantes (menos de um copo por mês), aqueles que bebiam dois ou mais por dia tinham maior probabilidade de ser jovens, fumantes e ativos do ponto de vista físico.

Os dados mostraram que havia uma ligação entre refrigerantes com adoçantes artificiais e morte por doenças circulatórias e uma associação entre refrigerantes adoçados com açúcar e morte por doenças digestivas. Isso sugere que políticas voltadas para o corte ou redução do consumo de açúcar podem ter consequências desastrosas quando os fabricantes reformulam seus produtos usando adoçantes artificiais.

Mais danos à saúde associados a adoçantes artificiais

Esta mesma pesquisa também encontrou uma ligação entre o consumo de refrigerantes e o mal de Parkinson "com associações positivas não significativas encontradas para refrigerantes adoçados com açúcar e com adoçantes artificiais".

O aspartame é outro adoçante artificial que foi estudado nas últimas décadas. Em um estudo, os pesquisadores pediram a adultos saudáveis ​​que consumissem uma dieta rica em aspartame por oito dias, seguido por um desintoxicação de duas semanas e, em seguida, uma dieta pobre em aspartame por oito dias.

Durante o período com maiores taxas aspartame, os indivíduos sofreram com depressão, dores de cabeça e mau-humor. Eles tiveram pior desempenho em testes de orientação espacial, que indicaram que o aspartame teve um efeito significativo em sua saúde neuro comportamental.

Uma segunda pesquisa avaliou se as pessoas com transtornos de humor diagnosticados eram mais vulneráveis ​​aos efeitos do aspartame. Os pesquisadores incluíram 40 indivíduos com depressão unipolar e aqueles sem qualquer histórico de transtorno psiquiátrico. A pesquisa foi interrompida após 13 deles encerrarem a intervenção devido a gravidade das reações.

Camundongos alimentados com água potável com aspartame desenvolveram sintomas de síndrome metabólica e outro estudo em animais descobriu que o aspartame teve um efeito negativo na tolerância à insulina e influenciou a composição microbiana do intestino.

Uma outra pesquisa com animais determinou que a Sucralose afetou o fígado dos animais, "indicando efeitos tóxicos na ingestão regular." A descoberta sugere que “a Sucralose deve ser tomada com cuidado para evitar danos hepáticos”.

Os cientistas encontraram uma longa lista de sintomas associados ao consumo de Sucralose. Entre eles: enxaquecas, aumento do risco de diabetes tipo 2 e crescimento do fígado e dos rins.

A alternativa do açúcar tem uma ação única sobre o açúcar no sangue

Existem vários substitutos do açúcar de origem vegetal, incluindo Stevia, Lo Han Kuo e alulose. A estévia é uma erva de sabor doce encontrada na América do Sul. Ela é vendida como suplemento e pode ser usada para adoçar a maioria dos pratos e bebidas.

Lo Han Kuo é semelhante a Stevia, mas um pouco mais caro. Outra opção natural é a alulose. Embora o mercado no Japão seja significativo, ela pouco conhecida no Ocidente. A alulose é encontrada em pequenas quantidades em algumas frutas e recebeu uma designação de alimento considerada segura (GRAS) pelo FDA.

Os pesquisadores disseram que o composto tem um valor energético de "zero", o que sugere que esse açúcar raro pode ser útil como adoçante para pessoas obesas para ajudar na redução de peso.

Além de contribuir com pouca ou nenhuma caloria, a alulose induz uma resposta fisiológica que pode ajudar a diminuir a glicose no sangue, reduzir a gordura abdominal e reduzir o acúmulo de gordura ao redor do fígado. Leia mais sobre este composto natural em " Este adoçante natural pode reduzir o açúcar no sangue?”