• Ronaldo Gorga

10 superalimentos para a saúde digestiva


O processo digestivo parece simples de uma perspectiva superficial. Ele coloca um alimento na boca, mastiga e engole. O corpo então decompõe esse alimento em componentes que seu corpo pode usar e absorver. Qualquer sobra é excretada como resíduo.


No entanto, na realidade, a digestão é um processo complexo que pode ser afetado por vários fatores, desde não mastigar suficientemente os alimentos até a falta de enzimas, ácido estomacal ou o equilíbrio certo de micróbios para digerir os alimentos adequadamente e absorver seus nutrientes.


Os alimentos que você come também podem apoiar ou prejudicar sua saúde digestiva, com alimentos altamente processados, geneticamente modificados (GM) e ricos em açúcar entre os mais prejudiciais. Se sua dieta é baseada neste último, é mais provável que seu intestino esteja inflamado, com vazamento e colocando você em risco de problemas de saúde crônicos e agudos.


Modificar sua dieta adicionando os seguintes superalimentos digestivos pode ajudá-lo a reparar os danos e curar seu intestino.




10 superalimentos para a saúde digestiva



  1. Babosa


O suco de aloe vera pode ser útil para o refluxo ácido, por exemplo, mas o ideal é fazê-lo com aloe vera caseiro com folhas de 18 polegadas de comprimento antes da colheita. As espécies que produzem folhas grossas são as melhores.


Babosa também contém grandes quantidades de um polissacarídeo de reforço imunológico, especialmente manose, que demonstrou induzir a secreção de interferon por glóbulos brancos, fator de necrose tumoral e citocinas benéficas.


Os benefícios vêm do gel interno da planta, não da folha externa. O gel interno pode ser combinado com uma lima ou limão e misturado usando um liquidificador para torná-lo mais palatável para consumo. Além disso, descobriu-se que a babosa ajuda:


  • Infecções por Candida

  • infecções parasitárias

  • Prisão de ventre

  • Úlceras, incluindo as causadas pela bactéria H. pylori4

  • Doença de Crohn, colite e síndrome do intestino irritável (SII)



  1. Caldo de Osso


O caldo de osso é usado como na dieta GAPS, que é baseada nos princípios da Síndrome do intestino e da psicologia (GAPS) desenvolvidos pela Dra. Natasha Campbell-McBride.


É a base porque não só é muito fácil de digerir, mas também contém compostos que melhoram o sistema imunológico que são blocos de construção críticos para o tratamento de doenças autoimunes. É incrivelmente curativo para o seu intestino.


A dieta GAPS é normalmente usada para tratar crianças com autismo e outros distúrbios causados ​​por disfunção intestinal, mas quase qualquer pessoa com alergias ou saúde intestinal inferior pode se beneficiar dela, pois foi projetada para curar o intestino permeável. Se o seu intestino está permeável, então alimentos não digeridos, toxinas, vírus, leveduras e bactérias têm a chance de passar pelo intestino e entrar na corrente sanguínea, isso é conhecido como intestino permeável.


Quando o revestimento intestinal é repetidamente danificado devido à recorrência do intestino permeável, as células danificadas chamadas microvilosidades tornam-se incapazes de fazer seu trabalho adequadamente. Eles se tornam incapazes de processar e usar os nutrientes e enzimas que são vitais para a digestão adequada.


Eventualmente, a digestão se deteriora e a absorção de nutrientes é afetada negativamente. Quanto mais exposição, seu corpo lança um ataque contra esses invasores estrangeiros. Ele responde com inflamação, reações alérgicas e outros sintomas que associamos a uma variedade de doenças.


O intestino permeável é a causa de muitas alergias e distúrbios autoimunes, por exemplo. Quando combinado com sobrecarga tóxica, você tem uma tempestade perfeita que pode levar a distúrbios neurológicos como autismo, TDAH e dificuldades de aprendizado. O caldo de osso contém uma variedade de nutrientes valiosos que muitas pessoas não têm, em uma forma que seu corpo pode facilmente absorver e usar.


Isso inclui gelatina. A gelatina encontrada no caldo de osso é um colóide hidrofílico. Atrai e retém fluidos, incluindo sucos digestivos, apoiando assim a digestão adequada. Além disso, o caldo de osso contém:



  • Cálcio

  • Fósforo e outros minerais Componentes do colágeno e da cartilagem

  • Silício e outros minerais Componentes do osso e medula óssea

  • Glucosamina e sulfato de condroitina Anti-inflamatórios aminoácidos "condicionalmente essenciais", como prolina, glicina e glutamina




3. Legumes Fermentados


Outro componente-chave do programa GAPS é o consumo diário de alimentos fermentados, principalmente vegetais fermentados, como chucrute e kimchi.


Alimentos fermentados são poderosos quelantes (desintoxicantes) e contêm níveis muito mais altos de bactérias benéficas do que suplementos probióticos, tornando-os ideais para otimizar sua flora intestinal. Os vegetais fermentados também contêm altos níveis de antioxidantes e fibras para uma saúde digestiva ideal.


Apenas um quarto a meia xícara de vegetais fermentados, com uma a três refeições por dia, pode ter um impacto dramaticamente benéfico na sua saúde digestiva e geral.

Se você fermentar seus próprios vegetais, considere usar uma cultura inicial especial que foi otimizada com cepas bacterianas que produzem altos níveis de vitamina K2. Esta é uma maneira barata de otimizar seus níveis de K2, o que também é crucial para uma boa saúde.


Se você gosta de comidas picantes, experimente o kimchi. Kimchi é um prato tradicional coreano feito com vegetais fermentados e uma mistura picante de pimenta, alho, cebolinha e outras especiarias.


Kimchi é comum em quase todas as refeições coreanas, onde é servido sozinho ou como acompanhamento, misturado com arroz ou macarrão, ou usado como ingrediente em sopas ou ensopados. É rico em vitaminas A e C e devido ao seu processo de fermentação também é rico em bactérias lactobacilos que beneficiam o intestino.



4. Kefir e Kefir de Coco


Kefir (leite fermentado) e kefir de coco (água de coco fermentada) são mais duas opções para adicionar aos alimentos fermentados em sua dieta. Ambos são ricos em probióticos e enzimas que promovem o equilíbrio bacteriano saudável necessário para a saúde intestinal adequada.


Kefir é fácil de fazer em casa usando leite orgânico, cru, alimentado com capim ou água de coco e conterá muito mais probióticos do que você pode obter em forma de suplemento. Além de probióticos benéficos, o kefir tradicionalmente fermentado também contém:



  • Levedura benéfica Minerais como o magnésio Aminoácidos essenciais (como o triptofano, que é bem conhecido por seus efeitos calmantes no sistema nervoso)

  • Cálcio

  • Vitaminas B1, B2 e biotina (B7) Vitamina K Fósforo



Se você não consome laticínios ou procura um sabor diferente, o kefir de coco é uma boa alternativa para apoiar a saúde intestinal. Conforme observado no Epoch Times:


"O Kefir de Coco aumentará a hidratação e recolonizará seu intestino e membranas mucosas com uma ampla variedade de microflora benéfica. Ele também contém leveduras benéficas que procuram e destroem leveduras patogênicas no corpo (como Candida), elas também ajudam a limpar, fortalecer e purificar as paredes intestinais para que se tornem mais resistentes a patógenos perigosos como E.coli, salmonela e parasitas.


O kefir de coco também ajuda a assimilar nutrientes no intestino e aumenta o uso de certos minerais e vitaminas do complexo B."




5. Chá de Semente de Linhaça


O chá de semente de linho é fácil de fazer derramando 12 onças de água fervente sobre uma colher de sopa de sementes de linho, em seguida, embebendo durante a noite (coe as sementes antes de beber). Esta bebida simples oferece o impulso de cura para o cólon devido ao seu conteúdo de gorduras ômega-3, fibras solúveis e lignanas, que são anti-inflamatórias e têm um efeito lubrificante.6 Se você sofre de síndrome do intestino permeável ou intestino irritável, tente este chá.


6. Repolho Roxo


O repolho roxo é rico no aminoácido L-glutamina, que é conhecido por ajudar a curar o tecido mole que reveste os intestinos. É especialmente útil para pessoas com intestino permeável, colite ulcerativa, doença celíaca, doença de Crohn e síndrome do intestino irritável. Você pode comer repolho roxo cozido no vapor, espremido ou talvez em sua melhor forma, fermentado, o que também adicionará uma abundância de enzimas e bactérias benéficas para a saúde intestinal.


7. Chlorella


Chlorella, uma alga de água doce unicelular, é frequentemente reconhecida como um alimento quase perfeito com uma ampla variedade de benefícios para a saúde. Para começar, promove níveis saudáveis ​​de pH no intestino, o que, por sua vez, ajuda as bactérias benéficas a prosperar.


É também um poderoso agente desintoxicante para o mercúrio e outros metais pesados, o que é útil, pois um dos sintomas do acúmulo de mercúrio é o distúrbio digestivo e a diminuição da capacidade de assimilar e utilizar adequadamente as gorduras. A chlorella é ainda rica em fibras, ajudando a tonificar o revestimento do intestino e mantê-lo "regular".


8. Moringa


A moringa, às vezes descrita como a "árvore milagrosa", tem folhas pequenas e redondas que contêm uma quantidade incrível de nutrição: proteína, cálcio, betacaroteno, vitamina C, potássio. Não surpreendentemente, tem sido usado medicinalmente (e como fonte de alimento) por pelo menos 4.000 anos.


Do ponto de vista digestivo, a moringa é rica em fibras, que, como observa o Epoch Times, "funciona como um esfregão em seu intestino, para limpar quaisquer sobras extras de uma dieta gordurosa".


Também vale a pena mencionar seus isotiocianatos, que têm propriedades antibacterianas que podem ajudar a livrar seu corpo de H. pylori, uma bactéria implicada em gastrite, úlceras e câncer gástrico.


9. Psílio


A quantidade diária recomendada de fibra é entre 20 e 30 gramas, mas acho que o ideal é 32 gramas por dia. Infelizmente, a maioria das pessoas consome apenas metade dessa quantidade ou menos. Sua melhor fonte de fibra dietética vem dos vegetais, e a maioria das pessoas simplesmente não está comendo vegetais suficientes. Uma maneira de aumentar facilmente sua ingestão de fibras é adicionando psyllium à sua dieta.


Consumi-lo três vezes ao dia pode adicionar até 18 gramas de fibra alimentar (solúvel e insolúvel) à sua dieta. Além de apoiar uma digestão saudável, as fibras solúveis como o psyllium são probióticos que ajudam a nutrir as bactérias benéficas. Essas bactérias benéficas, por sua vez, ajudam na digestão e absorção de seus alimentos e desempenham um papel muito importante em sua função imunológica.


Observe que o psyllium é uma cultura fortemente pulverizada, o que significa que muitas fontes estão contaminadas com pesticidas, herbicidas e fertilizantes. Por esta razão, certifique-se de consumir APENAS casca de psyllium orgânica e certifique-se de que é 100% puro.


Muitas marcas de suplementos usam ingredientes ativos sintéticos e semi-sintéticos que não contêm psyllium, como metilcelulose e policarbofil de cálcio. Algumas marcas até adicionam adoçantes e outros aditivos, que você realmente deve evitar.


10. Sementes de Chia


As sementes de chia contêm quase 10 gramas de fibra em apenas duas colheres de sopa e são ricas em fitoquímicos anti-inflamatórios para aliviar o desconforto gastrointestinal. Uma das melhores coisas sobre as sementes de chia é a facilidade de uso. Têm um sabor suave que os torna adaptáveis ​​a uma variedade de receitas e são isentos de glúten, o que é perfeito para pessoas com doença celíaca, intolerância ao glúten ou aqueles que simplesmente querem evitar comer glúten. As sementes de chia podem ser adicionadas a uma grande variedade de pratos, de iogurte cru a smoothies.


Observe que as sementes de chia têm uma textura gelatinosa depois de misturadas com o líquido; portanto, se você preferir que elas fiquem crocantes, basta polvilhe-as pouco antes de comer.




FONTES E REFERÊNCIAS